ECONOMIA BRASILEIRA ESTÁ EM RECUPERAÇÃO E DEVE CRESCER 1% EM 2017

22 de dezembro de 2016 | Por cemara

CEMARA_JOB_2591_16_POSTS_09_01_ECONOMIA_BRASILEIRA_001

 

A economia brasileira já começa a dar sinais de recuperação e deve crescer 1% no Produto Interno Bruto (PIB), em 2017, e mais 2% em 2018, resultado da confiança que o mercado, investidores internacionais e população estão tendo nas medidas anunciadas pelo governo até agora. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241 que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos é considerada um dos principais mecanismos para reequilibrar as contas.

Essa é a opinião de Paulo Cesar Adani, professor de Economia e Finanças da PUCCamp (Campinas/SP), diretor da Consultoria Quantum e do Corecon (Conselho Regional de Economia), e ouvido pelo Cemara Informa. Ele destacou que o setor imobiliário deve voltar a crescer e que esse é um bom momento para investir em imóveis. Além disso, o segmento é um dos maiores demandadores de mão de obra do mercado. Veja a seguir os principais trechos da entrevista:

 

 

Cemara Informa – Depois da turbulência do impeachment, quais são os desafios da economia do País para voltar a crescer?

Paulo Cesar Adani – Os desafios são muitos. Nós estamos vivendo uma época atípica na história do País. Faz três anos consecutivos que estamos tendo queda no PIB (Produto Interno Bruto), perdas significativas que chegam hoje a 9%. Essa queda não tem precedente, pelo menos na história recente do Brasil. Os resultados dessa situação, que se confirma gravíssima, são os mais de 12 milhões de desempregados e a recessão que afetou todas as atividades produtivas de alguma forma. Essa crise, que se agravou a partir de 2014, começou a ser gerada na crise de 2008, dos Estados Unidos. Diziam que não ia nos atingir, mas atingiu. Ela é tão severa quanto a crise de 1929, com desemprego e queda no PIB. Além disso, o problema do déficit público bastante agudo é um ingrediente poderoso para chegar aonde chegamos.

 

Cemara Informa – A PEC que limita o teto dos gastos públicos, controle da inflação e queda na taxa de juros faz parte de algumas das ações que o governo propõe para sairmos da crise. Elas são suficientes, mesmo sem as reformas previdenciária, tributária e política?

Paulo Cesar Adani – Sim, o começo dessa retomada depende dessas ações que o governo está implantando. Elas são necessárias. O teto nos gastos públicos, por exemplo, é sim bem desconfortável, mas é necessário e com certeza, vai repercutir positivamente no futuro. A dívida brasileira hoje é de mais de R$ 3 trilhões, só de juros são mais de R$ 400 bilhões por ano. Então, não tem outro caminho: tem que fazer os ajustes e reduzir a dívida pública para voltar ao crescimento. Claro que as reformas previdenciária, tributária e política são  fundamentais e também fazem parte desse conjunto de ações que pode ser desconfortável agora, mas será positivo no futuro.

 

Cemara Informa – Faltam ainda confiança e segurança dos empresários para investir no País?

Paulo Cesar Adani – Muitas empresas estrangeiras estão vindo investir no Brasil, mas ainda de forma tímida. Com certeza, com a aprovação dessas ações que citamos antes elas terão segurança em investir mais e consequentemente melhorar nosso desempenho econômico. A palavra de ordem nesse momento é confiança. As medidas do governo já aumentaram

a confiança não só nos empresários estrangeiros, mas no empresário brasileiro e na população brasileira que quer voltar a consumir, mas sem sustos.

 

Cemara Informa – Qual a expectativa para 2017 e para 2018?

Paulo Cesar Adani – A expectativa de crescimento em 2017 é de 1% no PIB e 2% em 2018. A previsão de crescimento é pequena, mas importante, porque reverte o quadro de queda consecutiva dos últimos três anos e, principalmente, pelo aumento da confiança. Os investimentos começam a retornar, mesmo que de forma tímida, e vão ajudar na diminuição da taxa de desemprego. Já se espera uma realocação de pessoas a partir do ano que vem. Se forem confirmadas as expectativas para 2017, em 2018 sairemos desse marasmo econômico.

 

Cemara Informa – O setor imobiliário também está sofrendo com a crise. Qual a perspectiva para o segmento nos próximos anos?

Paulo Cesar Adani – O setor imobiliário sofreu bastante com a crise. Mas acho que o setor vai ter condições de retomar seu crescimento a partir de 2017. O setor também contribuirá muito para diminuir a taxa de desemprego, já que ele é um grande demandador de mão de obra.

 

Cemara Informa – Então, vale a pena investir em imóveis hoje? É um bom momento para comprar?

Paulo Cesar Adani – Sim, é um bom momento, talvez o mais propício dos últimos anos. Com a confiança voltando, vale a pena comprar, porque o mercado está preparado para negociar e oferecendo boas oportunidades.

 

Acho que é um bom momento para as empresas expandirem suas áreas fabris e crescerem ou buscarem novos investimentos e se anteciparem à retomada de crescimento que vem por aí. Quem sai na frente sempre tem recuperação mais rápida. Vale investir sim.

 

Paulo Cesar AdaniProfessor de Economia e Diretor da Consultoria Quantum e do Corecon (Conselho Regional de Economia)

 

Matéria publicada em novembro de 2016.

Certificados e Prêmios



Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara