Mostrando posts da categoria: Sustentabilidade


Como aplicar papel de parede sem segredos!

15 de agosto de 2020 | Por cemara

Aplicar papel de parede corretamente parece um bicho de sete cabeças, não é mesmo? Na verdade, é muito mais simples do que parece! Para ajudar você a deixar o seu lar da forma como você sonha, a Cemara Loteamentos preparou este artigo ensinando como aplicar – sem segredos! Confira!

O papel de parede é uma excelente solução para deixa o ambiente com a sua cara. Para conseguir um ótimo resultado, é só seguir algumas dicas. Antes de iniciar, confira os materiais necessários:

  • Balde
  • Cola Universal
  • Espátula
  • Esponja
  • Estilete
  • Rolos de papel de parede
  • Tesoura

 

DETALHES DO PAPEL DE PAREDE

Na hora de ir às compras, tenha em mente que há alguns detalhes sobre os papéis de parede que você deve considerar.

VINÍLICO X VINILIZADO

O Papel de Parede Vinículo possui uma camada extra entre o papel e a parede, feita de PVC. Por isso, é um pouco mais grosso, mas possui vida útil muito superior: ele pode durar até mais de 15 anos na mesma parede. Outro fato é a praticidade de lavagem, sendo que este tipo de papel possibilita a utilização de água e sabão para lavá-lo, sem afetar a cor ou a durabilidade do produto.

Já o Papel de Parede Vinilizado, possui aparência de vinil, mas sem o acabamento em PVC. Por isso, acaba possuindo vida útil inferior: duração de até 5 anos na mesma parede. O grande atrativo deste tipo é o baixo custo quanto comparado ao vinílico.

MEDIDA

Não se deixe enganar. Na embalagem do papel de parede, sempre haverá a indicação da metragem. Contudo, na hora da aplicação, é natural perder alguns metros, devido a aplicação da cola e a centralização da estampa (se houver).

Por isso, em média, um rolo de 10m² equivale a 5m² (se for liso) e até 4m² (se for estampado).

 

COLA UNIVERSAL

Outra dúvida comum é quanto a qual cola utilizar para fixar o papel de parede. Há no mercado diversos tipos de cola específica para papel de parede. Atualmente, alguns profissionais de artesanatos têm indicado colas paralelas para realizar a colagem, mas não caia na tentação de economizar alguns poucos reais: usar uma cola não indicada pode danificar a parede e também diminuir o tempo de vida útil do papel de parede. Ou seja, a aparente economia pode gerar ainda mais gastos em um futuro próximo.

A Cola Universal para Papel de Parede é a mais indicada. Ela é uma cola pronta em pó, onde basta adicionar água e misturar para deixa-la pronta para aplicação. No geral, indica-se o preparo de uma a duas horas antes de utilizá-la. A quantidade exata de água e o tempo necessário para utilizar varia de marca para marca, por isso é necessário estar atento às indicações na embalagem do produto.

 

PREPARE A PAREDE!

Antes de iniciar, escolha a parede que irá aplicar o papel. Ela deve estar seca, lisa e sem imperfeições. Caso necessário, primeiro arrume os buracos – derivados de pregos ou instalações anteriores – antes de iniciar a colagem do papel.

Não é necessário pintar a parede antes da aplicação! Contudo, se optar por deixa-la pintada, tenha certeza de fazer a aplicação apenas após a secagem completa da tinta.

Caso a parede possua tomadas, retire os espelhos e parafusos antes de iniciar.

 

APLIQUE A COLA!

Chegou a hora de iniciar o processo de colagem. Primeiro, estique o papel de parede em uma superfície lise. Com o auxílio de um rolo ou pincel de pintura, passe a cola na parte de trás do papel (a parte branca). Espalhe bem, para não deixar excessos. Ao terminar, dobre o papel, deixando juntas as partes onde está a cola. Não se preocupe: a cola não tem efeito rápido e não irá danificar o papel.

Foto: Reprodução / Leroy Merlin

 

Com a ajuda de uma escada, suba até o ponto mais alto da parede, descole a ponta do papel e faça a aplicação na parede – tomando o cuidado para deixar cerca de cinco centímetros a mais, sobrando na parte superior.

Foto: Reprodução / Leroy Merlin

Com a espátula, aperte o papel de parede contra a parede, para marcar bem o espaço e onde deverá ser cortado. Utilize o estilete e faça um corte reto, pressionando a lâmina contra o papel, para retirar o excesso. Se for o papel de parede vinílico, será necessário aplicar um pouco mais de força na lâmina, devido a espessura do papel.

Repita o processo para o rodapé.

 

ESPALHE A COLA!

Após colocar o papel e recortar os excessos, use a espátula para fazer movimentos de cima para baixo, no centro do papel. Após “puxar” todo o excesso de cola para baixo, voltar do início e utilizar essa linha imaginária como divisória, puxando para o lado esquerdo o que está no lado esquerdo; e fazendo o mesmo com o lado direito.  Veja o exemplo abaixo:

Foto: Reprodução / Leroy Merlin

Seta Vermelha: iniciará por aqui. Irá aplicar pressão, com a espátula, trazendo toda a cola de cima para baixo.

Seta azul: Em seguida, iniciará o processo puxando a cola de dentro para fora, para o lado esquerdo, utilizando a linha branca imaginária (onde você passou a espátula a primeira vez).

Seta verde: idem ao azul, contudo, puxará a cola do centro (linha imaginária branca) para o lado direito.

 

É normal que na beirada do papel fique o acúmulo de cola. Para tanto, utilize a esponja para retirá-lo.

Repita todo o processo para a aplicação da segunda faixa. E refaça quantas vezes for necessário para preencher toda a parede.

Atenção: após a aplicação, é natural que apareça algumas bolhas. Neste caso, aperte-as com o dedo. Se forem de ar (ou seja, se apertar elas somem e depois voltam sozinho) fique tranquilo, em cerca de 2 dias elas irão sumir para sempre. Contudo, caso aperte e perceba que a bolha está fofa, isso indica que há um acúmulo de cola no local. Para tanto, é necessário passar a espátula para retirá-la.

 

GOSTOU DESSA MATÉRIA?

Compartilhe com os amigos! Acompanhe-nos no Facebook para receber mais dicas e novidades. E não se esqueça de sempre visitar o nosso blog, que está em constante atualização.

 

Até a próxima!



Motivos para viver no interior

18 de junho de 2020 | Por cemara

Nos últimos anos surgiu uma tendência no mercado imobiliário: a descentralização de centros urbanos para a migração de pessoas ao interior. Nos últimos meses, esse movimento tem tomado ainda mais forma em uma manobra comportamental que não terá mais volta.

Mas afinal de contas, o que está estimulando essas pessoas? Confira abaixo alguns motivos que justificam essa vontade e nós garantimos que, no final deste texto, você também começará a preparar a sua mudança!

Saúde e tranquilidade

A parada abrupta de nossas atividades, impulsionada pelo novo coronavírus, nos deu muitos motivos para pensar. Qual é a qualidade de vida que temos? Nosso tempo está sendo bem investido? E o mais importante: esse é o estilo de vida que eu quero aos meus filhos?

Esta pausa nos deu tempo de parar e respirar. Notar que ficar horas dentro de um carro ou transporte público para chegar ao trabalho e tantas horas para fazer o caminho inverso, não é o ideal para a nossa saúde – e muito menos para o nosso bem-estar.

Qual foi a última vez que você teve tempo de sentar e ouvir uma boa música sem pensar em mil afazeres? Quando teve tempo para se dedicar àquele hobby, seja jogar videogame ou ler um clássico da literatura brasileira? É realmente essencial viver na capital e ter essa vida agitada? Meu trabalho não pode ser home office?

Ao fim da reflexão, a conclusão é uma só: o ritmo acelerado e “sempre atrasado” da capital não faz bem para a saúde física e mental.

O interior, no entanto, oferece menos acúmulo de carros e pessoas na rua. Mais tranquilidade e oferece uma oportunidade de qualidade de vida que não encontramos na capital.

Ar limpo

O acúmulo de veículos nas ruas causa estresse por oferecer filas e mais filas para fazer um trajeto simples de poucos metros – o que acaba levando horas! Além disso, libera na atmosfera muito gás carbônico, que interfere na qualidade de ar que nós respiramos.

O ar de grandes capitais como São Paulo possui uma densidade diferente do interior. Ao passar um final de semana no interior e retornar à cidade fica evidente essa diferença.

Cidades como Bragança Paulista e São José do Rio Preto investem na qualidade do ar limpo – bem como na construção e manutenção de grandes áreas verdes em áreas estratégicas do município. Isso garante à população a qualidade de ar propícia para respirar, o que interfere diretamente na saúde e bem-estar.

Vida saudável

Em cidades menores, tudo fica ainda mais próximo. Já pensou em ir ao trabalho, escola, faculdade ou ao mercado de bicicleta? Ou ainda caminhando?

Além disso, essas cidades possuem grandes parques e lagos, que podem ser acessados por toda a população e garantem mais possibilidades de se exercitar.

O interior é o local propício para você começar aquela vida saudável que sempre sonhou!

Natureza

Áreas verdes, natureza e plantas são muito mais que aquele pequeno vaso de flor que temos no canto do apartamento. Em capitais, cada vez mais parques e árvores estão se tornando raridade. O inverso ocorre no interior: centros de preservação, orquidários e muitas – muitas mesmo – árvores são paisagens corriqueiras.

Ofereça aos seus olhos a oportunidade de sonhar com uma casa na árvore – o que é impossível na capital.

Expansão econômica

Há muito tempo, viver no interior era sinônimo de ganhar menos. Contudo, isso não é mais realidade. Grandes multinacionais têm preferido instalar as sedes em cidades menores, onde oferece maior logística e menos trânsito – o que dificulta o transporte das mercadorias.

A expansão financeira, industrial e econômica de diversas cidades, como Piracicaba, aumenta a qualidade profissional, salários e também auxilia o crescimento econômico e desenvolvimento do município.

Mirassol, por exemplo, está em constante expansão. Já Piracicaba, Campinas e São José do Rio Preto não ficam atrás, em nada, ao serem comparadas com a capital paulista.

Oportunidade exclusiva e limitada

A procura por lotes e terrenos para construir no interior tem aumentado – e a tendência é se tornar uma realidade sem retorno. Por isso, agora é a hora exata para você investir em sua qualidade de vida e começar a planejar a sua mudança para o interior.

Atualmente, os valores e condições de compra de lotes no interior ainda estão favoráveis. Além disso, as baixas taxas de juros são uma condição ainda mais atrativa.

Contudo, com a diminuição de lotes disponíveis, os valores tendem a aumentar – ou pior, os lotes esgotarem.

Na Cemara Loteamentos, nós garantimos os melhores preços e condições: do início ao fim do loteamento. Contudo, há um número limitado de lotes disponíveis nas cidades do interior.

Por isso, não deixe para amanhã! Fale agora mesmo com um de nossos representantes e receba mais informações de como começar a realizar o sonho de mais qualidade de vida.



Transforme uma lâmpada queimada em um lindo item de decoração!

20 de maio de 2020 | Por cemara

Uma lâmpada queimada não tem mais utilidade, certo? Errado! Nós ensinamos você a transformá-la em um lindo item de decoração. É simples, barato e você mesmo pode fazer, confira como!

Você é uma pessoa que ama plantas, mas não tem espaço físico para encher o lar de plantinhas? Ou então não tem tempo para dedicar-se aos cuidados essenciais que são necessários a um vaso de flor ou um bonsai? Então essa matéria é para você!

 

Foto: Dailydoityouself / Divulgação

Hoje, ensinaremos a preparar um terrário: um lindo item de decoração para apartamentos ou casas menores!

 

MAS AFINAL DE CONTAS, COMO TRANSFORMAR UMA LÂMPADA QUEIMADA EM UM TERRÁRIO?

Antes de mais nada, o que é terrário? Trata-se de um minijardim elaborado dentro de um recipiente – seja aberto ou fechado. Normalmente, é feito em um refratário de vidro ou cerâmica.

Na opção aberta, é necessário regar de tempos em tempos, visto que há a evaporação da água.  Já em um ambiente fechado, é construído um ecossistema próprio: onde a evaporação da água retorna em forma de umidade e microgotículas que regam as plantas. Esta segunda opção é a que abordaremos hoje de forma prática e simples, dentro de uma lâmpada!

 

O QUE EU PRECISO PARA FAZER?

Antes de iniciar, veja se você tem em mãos todos os materiais necessários. São eles:

  • Lâmpada queimada
  • Pedra
  • Alicate de ponta
  • Chave de Fenda
  • Papel
  • Seringa ou canudo
  • Pinça longa
  • Óculos e luvas de proteção
  • Cascalho, areia, terra e/ou musgo ou suculenta que deseja

 

É possível utilizar diversos materiais para incluir no terrário, mas deve-se ter o cuidado de não misturar plantas que precisam de ambiente úmido com outros que não precisam.

 

CONFIRA O PASSO A PASSO!

  • Coloque a luva para proteção. Dê preferência para luvas próprias para utilizar ferramentas – de borracha. Caso não tenha, pode utilizar de luvas de lã grossa: o objetivo é proteger a mão na utilização do alicate.
  • Vire a lâmpada de ponta cabeça. Com o alicate, remova a parte preta da base da lâmpada. Faça esse procedimento dentro de uma caixa ou com pano por baixo, pois há o rompimento de uma pequena parte de vidro – o que pode causar a queda de pequenos cacos de vidro.
  • Após remover a parte preta, utilize o alicate para retirar a parte interna da lâmpada. Note que o bocal ficará intacto e vamos mantê-lo assim até o final do terrário.
  • Neste momento, iremos definir como o terrário ficará em pé. Iremos colocar encostado em uma pedra? Com uma base oval embaixo? Use sua criatividade e escolha o melhor “apoio” para o seu item de decoração. Há também a possibilidade de fazer terrários suspensos – o que não irão depender de apoio, mas sim de fios de nylon para fazer a suspensão. Veja alguns exemplos: 

 

Fotos: Conecta FG / Divulgação

  • Para fixar a lâmpada no apoio, utilize cola quente.

Agora, iremos preencher a lâmpada. Com a folha de papel, faça um funil e coloque dentro da lâmpada – passando pelo bocal, onde anteriormente você retirou a parte preta.

Foto: Conecta FG / Divulgação

  • Utilize o funil para incluir areia e terra. Utilize a chave de fenda para arrumar os materiais dentro da lâmpada.
  • Para concluir, coloque os musgos, plantas ou suculentas – de acordo com o seu gosto. Vale lembrar que não devemos misturar plantas que gostam de ambientes úmidos com aquelas que não. Com o canudo (ou seringa), coloque algumas gotas de água dentro da lâmpada.
  • Por fim, utilize um pedaço de madeira ou rolha para tampar a lâmpada.
  • Pronto, seu terrário está pronto para enfeitar o seu ambiente!

 

Confira alguns modelos prontos para se inspirar! As fotos são de divulgação do Pinterest:

GOSTOU DESSA MATÉRIA?

Compartilhe com os amigos! Acompanhe-nos no Facebook para receber mais dicas e novidades. E não se esqueça de sempre visitar o nosso blog, que está em constante atualização.

 

Até a próxima!



Ideias para construir um playground divertido e barato na sua casa

15 de agosto de 2019 | Por cemara

Que tal ter na sua casa um espaço de brincadeiras, diversão e, acima de tudo, com segurança para os seus filhos? Sim, isso é possível construindo um playground no seu quintal e o melhor de tudo: com um preço acessível.
É possível construir gangorras, balanços, cabanas, piscina de bolinhas, escorregador, caixa de areia e até mesmo um campinho para esportes variados. Veja aqui algumas dicas para utilizar materiais que vão deixar a parte externa da sua casa ainda mais divertida:

USE PNEUS PARA CONSTRUIR UM PLAYGROUND

Sabe aqueles pneus velhos que as borracharias vão vender para outras finalidades ou que, se descartados incorretamente, vão poluir o meio ambiente? Então, eles podem se transformar em alguns brinquedos incríveis.
Corte o pneu pela metade e com um pedaço de tábua fixado nele, você já tem uma mini gangorra para diversão dos pequenos.

Construir um playground em casa

Você pode também pegar um pneu de caminhão inutilizado, forrar com lona de piscina antiga, colocar areia e criar um banco de areia para construção de castelos e outras coisas que a imaginação permitir. Ah, lembre-se de pintar o pneu para deixar o ambiente ainda mais colorido.

Formas de construir um playground atrativo

Já pensou também em brincar de equilíbrio com a criançada? Pegue os pneus e corte-os pela metade. Depois, os fixe no chão, em um buraco, de maneira que fiquem enfileirados. Pinte-os com cores diferentes e coloque os pequenos para ultrapassarem os obstáculos. E também são ótimas opções de banco.

Ideias para construir um playground

CANOS DE PVC

Você terminou a construção da sua casa e sobraram alguns canos de PVC? Não jogue-os fora, crie ambientes e brinquedos novos que vão divertir a todos.

Se você encaixar diversos canos de PVC com as juntas necessárias, é possível criar a estrutura de uma cabana que pode ser levada para qualquer lugar. Coloque um pano colorido e deixe a imaginação rolar.

Se você gosta de esportes, que tal ter um par de gols para jogar futebol? Com apenas 12 canos de PVC é possível montar mini gols para colocar toda a família para jogar o esporte mais famoso do mundo. E o melhor: é leve e desmontável, podendo ser guardado em qualquer canto da casa.

Construir um playground é possível

Uma piscina de bolinhas é garantia de diversão em qualquer ambiente com criança. E com alguns canos de PVC, você consegue montar uma estrutura que suporte até 3 crianças pequenas e muita diversão. Compre redes de proteção bem fortes para as laterais, bolinhas coloridas de plástico e protetores de espuma para colocar na borda da piscina.

Brinquedos para construir um playground em casa

E que tal utilizar as latas de tinta que sobraram para fazer uma brincadeira de acerte o alvo? Tire todas as extremidades cortantes, para segurança de todos, pinte e decore as latas e pendure-as em alguma estrutura com barbantes para criar uma competição de quem acerta mais bolinhas dentro das latas.

Modelo de brincadeiras para construir um playground

Essas são algumas dicas que temos para você construir seu playground em casa. Quais outras opções você conhece?

Compartilhe conosco!

Fonte: Canal Decoração



Como unir sustentabilidade e decoração na sua casa?

6 de junho de 2019 | Por cemara

Ainda estamos na Semana Mundial do Meio Ambiente e já demos muitas dicas de sustentabilidade para preservarmos o planeta e diminuir o impacto na natureza. Agora vamos apresentar pra vocês como transformar sua criatividade em uma decoração impecável para sua casa acompanhar essa tendência sustentável. E essa decoração pode ser interna e externa. Além das dicas para aproveitar a luz natural para poupar energia e colocar torneiras que economizam água, você pode colocar a sustentabilidade em móveis, artigos de decoração e até mesmo no telhado da sua casa. Não acredita? Então veja as dicas abaixo:

Teto verde

Também conhecido como cobertura verde, é uma técnica que, além de embelezar a sua casa, vai trazer inúmeros benefícios. A moradia ficará mais fresca, já que as plantas vão ajudar na diminuição do calor; além do conforto térmico, as camadas criam uma proteção e evitam que o som de maneira geral invada o ambiente. Se você escolher trabalhar a cor cinza na parte externa, ela será realçada pelo contraste com o verde do telhado, entregando mais sofisticação ao imóvel.

Um adicional: você pode implantar um sistema de retenção de água da chuva e guardar numa cisterna, para utilizar depois. E reforçamos: procure um especialista para te ajudar, pois existem plantas adequadas e indicadas para esse tipo de construção.

Móveis sustentáveis

Prateleiras bem estilosas e bases de sofá que vão deixar o ambiente elegante. Tudo isso você consegue reaproveitando caixotes de madeira e paletes que podem transformar sua sala, sua biblioteca e até mesmo um jardim de inverno.

Os caixotes podem se transformar em belíssimas estantes para seus livros e dvds, ou para seus porta-retratos. Já os paletes são bem modulares e podem virar bases para sofás, painéis para televisão e até mesmo base para sua cama. Ambos devem ser lixados e tratados com verniz e tintas especiais.

Reaproveitar objetos

Aquela garrafa bonita de vidro que você vai jogar fora: já pensou que ela pode se transformar em um lindo vaso para mesa de centro ou para estantes? Mas caso você não queira colocar flores, você pode colocar fitas de led no interior das garrafas e criar um efeito romântico ao acender tudo.

Mas lembre-se: evite colocar água na garrafinha para não virar um criadouro do mosquito da dengue. Se colocar, troque regularmente.

Paisagismo funcional

Que as plantas fazem bem ao ambiente onde estão presentes todos sabem. Mas você já imaginou colocá-la como uma peça de decoração e funcional? É possível colocar na parede da sua cozinha ou no jardim de inverno pequenos vasos com hortinhas, plantando coisas pequenas como pimenta, tomate-cereja e folhagens. O aspecto visual ficará colorido, sustentável e também muito saboroso.

Agora que você já tem algumas dicas, pense bem na hora de construir e saiba que sustentabilidade e beleza andam unidas e podem deixar a sua casa ainda mais especial!



Dia Mundial do Meio Ambiente – e o que estamos fazendo para cuidar dele?

5 de junho de 2019 | Por cemara

Comemorado em 5 de junho, o Dia Mundial do Meio Ambiente foi instituído em 1972 durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo, na Suécia.

Com o Decreto Federal 86.028, de 27 de maio de 1981, o governo brasileiro também estabeleceu que, neste período, em todo território nacional se promovesse a Semana Nacional do Meio Ambiente com o objetivo de divulgar ações entre a comunidade e as empresas para cuidar do local onde estão instalados.

Para a Cemara, as práticas sustentáveis vão além de atender às normas e legislações ambientais vigentes.

A empresa desenvolve e implanta nos loteamentos, projetos de recuperação de Áreas de Preservação Permanentes e áreas verdes, revegetação dos sistemas de lazer, paisagismo ecológico, monitoramento da fauna quando existente, recuperação de nascentes, lagos e córregos, uso de matéria-prima reciclada na construção civil, busca a maior permeabilidade do solo, programa sustentável em relação à água, resíduos sólidos e energia, entre outros.

Em consequência de todo o seu planejamento sustentável, a empresa foi recompensada pelo quarto ano consecutivo (2015, 2016, 2017 e 2018)  com o Certificado de Destaque Ambiental – Selo Verde, emitido pelo Jornal do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Além disso, em todos os empreendimentos, a empresa busca analisar a ventilação e o sombreamento do espaço para proporcionar melhores condições de saúde e bem-estar dos futuros moradores.

Bruna Vieira D. de Campos, engenheira ambiental da Cemara, ressalta que nos últimos 5 anos a empresa plantou mais de 70 mil mudas de árvores em seus loteamentos e, nos lançamentos de 2019, a estimativa é plantar mais de 40 mil mudas.



Semana Mundial do Meio Ambiente – Como economizar água?

3 de junho de 2019 | Por cemara

 

Estamos celebrando a Semana Mundial do Meio Ambiente, um período importante para conscientizar a população sobre os cuidados para termos uma vida mais sustentável. Um dos recursos naturais que temos e que, apesar da abundância, merece ser usado moderadamente é a água.

Mais de 70% da superfície da Terra é coberta por água em estado líquido. Mas isso não significa que podemos ficar lavando o quintal, tomando banhos demorados ou até mesmo deixar aquela manutenção de uma torneira pingando para depois.

Hoje, a construção civil e as fabricantes de materiais de construção já investem para deixar seus produtos e construções cada vez mais sustentáveis. E muitas dessas ideias são voltadas à economia de água.

Por isso, separamos algumas dicas pra você se conscientizar e economizar água.

Veja:

ÁGUA

PIA

  • Feche bem a torneira. Uma torneira pingando pode desperdiçar 40 litros de água por dia

 

  • Instale redutores de vazão, que podem levar a uma economia de pelo menos 20% do consumo nos pontos em que forem acoplados. Os preços variam de R$ 4,19 a R$ 97,90, na Leroy Merlin (leroymerlin.com.br). O item também pode ser usado em chuveiros.

 

  • Escove os dentes com a torneira fechada. Ao enxaguar a boca só com um copo d´água, a economia pode ser de 11,5 litros.

 

CHUVEIRO

  • Reduza o tempo de banho. Em um chuveiro elétrico, dá para economizar até 96 litros ao diminuir o banho de 15 para 5 minutos.

 

  • Se o aquecimento for a gás, coloque um balde para recolher a água enquanto o chuveiro esquenta. Assim, é possível reutilizar até 15 litros.

 LOUÇA

  • Beba água em um mesmo copo ao longo do dia.

 

  • Antes de lavar a louça na pia, limpe os restos de comida com um papel.

 

  • Com a torneira fechada, ensaboe primeiro os copos e louças com menos gordura. Depois, vá para pratos e panelas mais sujos.

 

  • Use apenas a quantidade de detergente adequada. Quanto mais espuma, mais água será necessária para eliminá-la.

 

  • Enxague tudo de uma vez. Aproveite a água usada nos copos para molhar outras louças.

 

  • Se preciso, esquente água em uma chaleira para enxaguar os itens mais gordurosos.

 

  • Só use a lavadora de louça quando estiver cheia.

 

Fonte: Folha de São Paulo, domingo, 24 de setembro de 2017. Coluna SobreTudo.



As tendências que vão deixar a decoração da sua casa mais incrível

29 de maio de 2019 | Por cemara

Nossa casa é o lugar mais aconchegante do mundo e não tem quem duvide disso, correto? E sempre queremos colocar nosso toque e deixar tudo bem decorado, trazendo bem-estar e aquela sensação gostosa de chegar em casa e encontrá-la linda.

E para te ajudar a dar um toque especial à sua casa, estamos trazendo algumas dicas das tendências que vão deixar os seus ambientes incríveis. Podemos explorar a natureza, papéis de parede e até as formas arredondadas.

Veja abaixo como seguir as tendências de decoração:

Remeta à natureza

Ser sustentável dentro de casa está na moda e, se depender de nós, não sairá nunca. Ter diversas plantas em espaços da casa, além de benefícios à saúde, traz bem-estar aos moradores e deixa o ambiente ainda mais bonito. Se você tem um jardim de inverno, explore os jardins verticais, que estão fazendo muito sucesso e deixam um aspecto marcante no local.

Pense também em vasinhos suspensos na sua sala de estar ou até mesmo em um papel de parede ousado para uma superfície solitária. Vale tudo para deixar o ambiente mais sustentável e envolvente.

Geometria nas paredes

Os desenhos geométricos, polidos e modernos, feitos na própria parede são uma alternativa muito interessante para substituir papéis de parede. O ambiente fica com um ar despojado com algumas ilusões de ótica, prolongando arestas e aprofundando quinas e cantos dos cômodos e deixando o local ainda mais atrativo.

Formas orgânicas

As tendências de decoração agora propõem objetos cada vez mais ovais e com curvas orgânicas. São formatos que deixam os ambientes mais naturais. Com ares curvilíneos e sem rupturas bruscas, a decoração fica mais elegante e moderna. E isso vale para móveis e objetos pontuais, como tapetes, espelhos e mesas auxiliares: itens que contribuem para essa proposta.

Já ouviu falar em pisos vivos?

Dê movimento na decoração: aposte em um chão mais artístico, cheio de mosaicos ou desenhos inusitados, feitos com porcelanatos e até ladrilhos artesanais. Pense também em tapetes que produzem o mesmo efeito antes de investir em uma reforma.

Aspecto industrial

Esse aspecto, além de deixar o local mais elegante, traz um ar de modernidade sem igual. Os ambientes compostos por tubulações, fiações e estruturas aparentes criam um ar 100% urbano. Use cimento queimado, um revestimento indispensável nessas situações, e quando somado ao metal presente nos detalhes decorativos, apresentam sofisticação pura.

E então, vale a pena deixar a casa mais moderna, bonita e aconchegante, não é mesmo?

Esperamos que essas dicas sejam inspiradoras 



Dicas para planejar sua reforma

20 de dezembro de 2018 | Por cemara

1 – Antes de solicitar o financiamento para a compra do material de construção, é preciso ter todo o planejamento dos serviços que serão necessários para a reforma (o Construcard não pode ser usado para pagar mão de obra).

2 – Verifique a convenção do condomínio com relação a obras como também os horários permitidos para obra e locais para colocação dos entulhos.

3 – Se a reforma envolver modulados, considere toda a planta do apartamento para não haver problemas posteriores com espaço ou circulação.

4 – Procure a orientação profissional para elaborar o projeto, calcular e escolher os materiais.

5 – Contrate pedreiros de confiança.

6 – Combine previamente com o pedreiro o transporte vertical do material (subida do material e descida de entulho).

7 – Mude primeiro os cômodos internos e deixe a sala por último.

8 – Evite quebrar paredes ou trocar pisos e azulejos para o barato não sair caro.

9 – Trocar piso é uma obra cara, suja e barulhenta. Considere usar laminados.

10 – Se for uma obra superficial, sugerimos apenas a intervenção com gesso e iluminação. Outra opção é trocar os rodapés pequenos por material reciclado.

11 – Na hora de comprar os materiais de acabamento, compre tudo de uma vez para negociar um desconto maior com a loja.

12 – Não compre móveis por impulso.

FONTE: Extra Globo



Energia solar é alternativa econômica e sustentável para quem está construindo

16 de novembro de 2017 | Por cemara

CEMARA_JOB_2204_17_POST_17_11_CI_ENERGIA_SOLAR    

A CPFL Energia lançou a Envo, empresa voltada para a atuação no mercado de geração distribuída solar para clientes residenciais e comércios de pequeno porte.

Investir em um projeto de geração solar para residência ou para o pequeno comércio é uma das alternativas energéticas mais promissoras para enfrentar os desafios do setor elétrico nos próximos anos. Uma ótima opção para quem tem projetos para construir sua casa própria. Ainda mais no Brasil, onde os índices de insolação são maiores do que outros países.

Pensando nisso, a CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, anunciou neste ano, a criação de uma nova empresa, a Envo, que significa “Energia para você”, voltada para a atuação no mercado de geração distribuída solar para clientes residenciais e comércios de pequeno porte.

“A geração e distribuição de energia solar é um dos mercados mais promissores do setor elétrico brasileiro e a aposta neste segmento está em linha com os esforços do Grupo CPFL em desenvolver novos negócios voltados para a economia de baixo carbono, como investimentos em energia renovável, eficiência energética e a digitalização da rede elétrica, além das pesquisas na área de mobilidade elétrica e armazenamento”, disse o presidente da CPFL Energia, Andre Dorf.

Com a Envo, a CPFL Energia amplia o porfólio de produtos e serviços energéticos oferecidos aos consumidores e consolida uma nova etapa no relacionamento do Grupo com este novo consumidor cada vez mais consciente e exigente. O foco inicial de atuação da Envo será nos municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC). Com isso, o ser- viço estará disponível para Jundiaí, Sorocaba, Vinhedo, Hortolândia, Indaiatuba, Valinhos, Paulínia, Americana, Itatiba, Jaguariúna, Piracicaba, Sumaré e Pedreira, além de Campinas e outras regiões.

Economia

Com a energia solar, o consumidor passa a produzir a sua própria energia, e reduz em até 95% o valor da conta de luz. Quando o consumo é menor do que o volume gerado, a diferença se torna um crédito que é usado para reduzir a fatura da conta de energia elétrica, que ainda é necessária para atender ao consumidor na falta de energia solar.

Além da economia para o bolso do cliente, a geração solar também contribui para o meio ambiente, por ser uma energia limpa e renovável, reduzindo a demanda pela ener- gia das fontes mais caras e poluentes. Os outros benefícios da geração distribuída são: aumento da segurança energética, redução das perdas de energia e diminuição do custo global de operação do sistema.

O modelo de negócio prevê que a companhia seja responsável por todas as etapas de um projeto para o cliente. A Envo atuará desde a concepção técnica (avaliando itens como consumo de energia, condições estruturais do imóvel, níveis de irradiação solar e de som- breamento no local), passando pela revenda e instalação da solução completa, até a homo- logação do consumidor junto à distribuidora, intermediando, ainda, o processo de instalação do medidor digital.

Clientes interessados em desenvolver um projeto de geração distribuída solar têm à disposição um simulador no site da Envo (www.envo.com.br), que – a partir da inserção das informações do consumo mensal de energia e do local do imóvel – sugere uma referência de projeto para a unidade consumidora.

A simulação aponta o tamanho do projeto, a quantidade de placas solares, a área mínima necessária para colocação dos painéis, a produção de energia em 12 meses e o investimento total.



Biólogo ensina como fazer vaso autoirrigável para cultivar horta em espaços pequenos

6 de outubro de 2017 | Por cemara

Se tiver um solzinho, dá para plantar, sim! É isso que garante o biólogo Antônio Soares. No “É De Casa”, ele ensinou como fazer um vaso autoirrigável e sustentável, utilizando garrafa pet. Ou seja, se você mora em apartamento, dá para aproveitar qualquer cantinho para ter sua própria horta. Confira o passo a passo abaixo:

1

Corte a garrafa pet no meio (Foto: TV Globo)

2

A parte com o bocal da garrafa será a área de plantio e a parte inferior o reservatório de água (Foto: TV Globo)

3

Você vai precisar de um tecido para fazer absorção da água e não deixar que a terra caia para o reservatório de água (Foto: TV Globo)

4

Encaixe o tecido, que pode ser uma manta de plantio ou qualquer outro tecido de algodão, na boca da garrafa (Foto: TV Globo)

5

Preencha a área de plantio com substrato orgânico ou terra de plantio (Foto: TV Globo)

6

Encaixe a muda da planta e preencha o restante com mais terra (Foto: TV Globo)

7

Regue a área de plantio e o tecido que fica na parte de cima vai levar a água para o reservatório (Foto: TV Globo)

8

O nível de água deve ficar mais ou menos na metade do reservatório (Foto: TV Globo)

9

Se for deixar o vaso em local exposto a chuva, faça pequenos furos na área de plantio (Foto: TV Globo)

10

Se o local tiver sol intenso, lembre-se que se aquecer muito, a água vai evaporar. Coloque uma cobertura de solo, que, além de dar conforto térmico para a planta, se essa água pensar em evaporar, ela vai encontrar essa camada que vai segurá-la (Foto: TV Globo)

 

Fonte: https://gshow.globo.com/como-fazer/noticia/biologo-ensina-como-fazer-vaso-autoirrigavel-para-cultivar-horta-em-espacos-pequenos.ghtml



Suculentas: como criar seu próprio jardim e cultivá-las

20 de abril de 2017 | Por cemara

CEMARA_JOB_0064_17_POSTS_20_04_SUCULENTAS

Todo cacto é uma suculenta, mas nem toda suculenta é um cacto: aqui, vamos falar do segundo grupo, as primas dos reis do deserto, pequenas, gordas e sem espinhos.

Não é muito difícil tomar conta de uma suculenta. Então, se você ama plantas, mas costuma assistir as verdinhas definharem apesar dos seus esforços, suculentas podem ser a solução. Carol Costa, jornalista especializada em jardinagem, explica: tudo que elas precisam é de muito sol e pouca água.

Porém, existem alguns truques importantes. Um deles é estar atento à rega: é muito comum afogar as suculentas no cultivo em casa. Para evitar que as raízes fiquem empoçadas, invista em vasos com furos (mesmo que elas não estejam em um modelo tradicional) e em uma mistura de areia com terra para drenagem.

Mas e a frequência da rega? A quantidade semanal será diferente dependendo da estação do ano e da temperatura. Mais que focar em um número específico de irrigações, repare na aparência da planta e da terra, que deve ser mantida úmida, nunca encharcada.

Para medir, é só fingir que a terra é aquele bolo de chocolate delicioso no forno e espetar um palito. Se ele sair sujo, ainda não está pronto. Ou seja: não é hora de regar. Saindo seco, pode pegar a quantidade de água de um copinho descartável de café e colocar, devagar e com bom senso. Uma boa ideia é usar uma bisnaga plástica, como aquelas de lanchonete, para dosar bem a quantidade. Para as suculentas grandes, o esquema é o mesmo, porém com medidas maiores.

Preste muita atenção no tamanho de sua planta. Suculentas que se tornam compridas, com folhas bem separadas e até um pouco desmilinguidas, sofrem com falta de luz solar. A planta saudável é bem compacta. Leve-as para tomar banhos de sol durante a manhã para evitar que elas percam seu formato natural. Evite também aqueles pedriscos brancos, pequenos, usados para enfeitar vasos: eles nada mais são que mármore picado e, molhados, liberam um pó que faz mal para a planta. No lugar deles prefira coberturas naturais como casca de pinus e palha de arroz.

As suculentas deram certo, você gostou muito e agora quer replantar? Fazer a muda é fácil: corte o caule da suculenta e deixe-o secar por dois dias – se ele for replantado imediatamente, encherá de fungos. Depois é só colocá-lo novamente na terra e esperar a planta “pegar”!

Fonte: http://casa.abril.com.br/bem-estar.



Novo loteamento em Hortolândia terá praça para estimular os sentidos

16 de março de 2017 | Por cemara

O Parque Bella Ville, novo empreendimento da Cemara Loteamentos, tem mais de 100 mil metros quadrados de áreas verdes e de lazer

A busca por uma casa nova não depende apenas das características do imóvel. Localização, serviços e lazer também são fatores determinantes na decisão por uma moradia. A Cemara Loteamentos, que atua como urbanizadora e desenvolvedora de loteamentos há mais de 38 anos no interior de São Paulo, já percebeu isso e leva o conceito para todos os seus loteamentos, em especial, o Parque Bella Ville, que será lançado em Hortolândia, no interior de São Paulo.

Em seus projetos, a empresa desenvolve praças com temáticas distintas para a integração dos moradores e resolveu inovar ainda mais com a Praça Inspire-se, que foi criada para estimular os sentidos por meio de cheiros, sabores, sons, imagens e texturas.

CEMARA_JOB_0449_17_POSTS_INSPIRE-SE

“Criado pela equipe de arquitetura e urbanismo da Cemara, o espaço visa proporcionar a união entre os moradores e a natureza. A parte dedicada ao tato, por exemplo, consiste em uma área em formato de mão composta por diferentes tipos de piso, como borracha, areia e cimento”, explica Raquel Dei Santi, diretora e arquiteta e urbanista da empresa.

Para a audição, a equipe criou uma cortina de bambus disposta como uma orelha, que ajuda na percepção dos sons. Já o olfato e o paladar serão estimulados com um jardim de temperos, enquanto a visão será incentivada com um painel em formato de olho que apresentará imagens com ilusões de óticas.

A outra praça será a Movimente-se, um espaço dedicado à prática de atividades físicas e contará com equipamentos de ginástica ao ar livre e um playground com iluminação adequada para uso noturno.

CEMARA_JOB_0449_17_POSTS_MOVIMENTE-SE

 

Com área total de mais de 517 mil metros quadrados, 20% do loteamento, o que consiste em mais de 100 mil metros quadrados, serão dedicados às áreas verdes e de lazer. Em todos os seus empreendimentos, a Cemara também entrega a infraestrutura completa como rede de abastecimento de água tratada, rede de energia elétrica, rede de drenagem de águas pluviais, rede de esgoto e iluminação pública, além da pavimentação.

SOBRE A CEMARA

Fundada no final da década de 1970, em Americana (SP), a Cemara Loteamentos iniciou a trajetória no mercado imobiliário para contribuir de forma direta no desenvolvimento social e urbano de diferentes municípios. A cidade de origem da empresa, por exemplo, é um de seus principais cases de sucesso, com 16 projetos realizados e 12 mil lotes implantados, que ajudaram a realizar o sonho de mais de 60 mil pessoas que hoje possuem terreno ou casa própria, representando 26% da população atual de Americana.

 Há 38 anos no mercado e com uma filial em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, já vendeu mais de 21 mil terrenos em diversas cidades do interior do estado de São Paulo. Desde então, já foram realizados 37 loteamentos que geraram mais de 12 milhões de metros quadrados de áreas urbanizadas.

Economídia 

Tel.: (11) 2579-5404

Erica Martin – (11) 99637-9854
erica.martin@economidia.com.br

Talita Mônaco – (11) 98942-4946
talita.monaco@economidia.com.br

Iza França – (11) 97644-4496
iza.franca@economidia.com.br

 



Empresas miram ‘Vale do Silício’ da agricultura e mudam para Piracicaba

1 de julho de 2016 | Por nwmidia

Projeto de polo tecnológico atraiu centro logístico e loteamentos imobiliários.
Economista conversou com o G1 e falou em atenção para os investimentos.

 

O projeto de transformar Piracicaba (SP) em uma espécie de “Vale do Silício” do agronegócio, para integrar pesquisas e empreendimentos ligados à agricultura, tem atraído empresas de vários segmentos para a cidade. Apesar da crise e do momento econômico do país, as companhias enxergaram no AgtechValley, também chamado de Vale de Piracicaba, uma oportunidade para crescer. A Prefeitura não informou o número exato de novas companhias que se instalaram na cidade após o anúncio do projeto, mas um balanço da administração aponta que o aumento foi de 30%.

A iniciativa foi apresentada em abril durante reunião no Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia (CMCT) e terá a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), campus da USP em Piracicaba, como polo para o desenvolvimento das inovações na área. O projeto vai reunir empreendimentos tecnológicos e algumas das empresas que já atuam na cidade.

O presidente do conselho deliberativo da incubadora EsalqTec, Mateus Mondin, apontou o Vale do Silício, nos Estados Unidos, como modelo para a nova estrutura no interior de São Paulo. Segundo ele, os empreendimentos envolvidos com inovação tecnológica para o agronegócio serão levantados em um raio de até 500 quilômetros. O ecossistema será apresentado em um portal na internet.

Segundo Mondin, a ideia da incubadora é reunir empresas ligadas ao agronegócio para utilizar tecnologias e desenvolver novos produtos. “Isso fará com que os investidores enxerguem Piracicaba a partir de um viés bem interessante devido a existência da Esalq. Assim como é no Vale do Silício, nos EUA, que é enxergado a partir da Universidade de Stanford, que atua como o centro de irradiação de conhecimento e tecnologia por lá”, explicou.

Complexo logístico
Um dos exemplos de empresa que decidiu iniciar operações em Piracicaba é um condomínio logístico com 68 mil metros quadrados e capacidade para receber até 24 empresas. Com investimento de R$ 100 milhões, a TRX Incorporadora está com 20% dos galpões locados e espera que o projeto do AgtechValley atraia companhias ligadas ao agronegócio.

De acordo com o diretor do empreendimento, Roni Katalan, a estratégia para conseguir alugar todos os galpões em pleno período de crise econômica é abrigar operações de empresas que lidam com o agronegócio de maneira indireta, como por exemplo fabricantes de tratores e fertilizantes para o cultivo da cana-de-açúcar, além de companhias que trabalham diretamente na agricultura.
“Com a retração do mercado automobilístico, essa será nossa grande aposta para o centro logístico ser totalmente ocupado”, afirmou.
Menor concorrência
Katalan ainda afirmou que, além de apostar no projeto do “Vale do Silício” do agronegócio para conseguir ter sucesso, a ideia de se instalar em Piracicaba surgiu porque o município ainda não possui tanta concorrência na área de empreendimentos logísticos. O centro está localizado no Anel Viário Comendador Leopoldo Dedini, no bairro Unileste.

“Piracicaba tem 3,2 mil empresas de vários seguimentos e agora com esse projeto da instalação de uma incubadora de empresas no campus da USP vai atrair muitas companhias. Estamos apostando nisso para conseguir ter 100% dos nossos galpões locados. O agronegócio não é um mercado tão óbvio, mas com o cenário que está se apresentando em Piracicaba, ele pode nos ajudar muito”, disse.
Aposta em moradia
Outro empreendimento que decidiu se instalar no município com o foco no agronegócio foi um conjunto de três loteamentos residenciais – dois populares e um de alto padrão. De acordo com Marcos Del Santi, vice-presidente da Cemara, empresa responsável pelas obras, os residenciais começaram a ser construídos em 2009, mas apenas foi um lançado e está com 65% dos lotes vendidos.

Por conta da crise econômica, a previsão de lançamento dos outros dois loteamentos era para 2018. No entanto, a empresa decidiu antecipar para 2017 por causa do lançamento do projeto do AgtechValley. Segundo Del Santi, o polo tecnológico sediado na Esalq vai atrair, além de novas companhias, muitas pessoas de outras cidades para Piracicaba e a intenção é vender os terrenos para estes novos moradores.
“O agronegócio já estava no nosso radar. Estávamos monitorando essa situação em Piracicaba. Existe uma previsão de economistas no Brasil de que o agronegócio é uma maneira real de salvar a economia no país. E para a gente isso foi ótimo. Estávamos com dois loteamentos para serem lançados em 2018 por conta da crise, e antecipamos porque sabemos que vamos ter demanda de novas moradias com a instalação desse polo de agricultura aqui”, explicou o vice-presidente.

Os três empreendimentos ficam nos bairros do Campestre e Bongue. Dos dois loteamentos que serão lançados em 2017 visando a implantação do “Vale do Silício” da agricultura, o Santa Clara tem 570 lotes, com tamanho mínimo de 200 metros quadrados. Já o Vitória Régia tem 307 lotes com tamanho mínimo de 50 m².
Otimismo com ressalva
O professor de economia da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) e coordenador do banco de dados socioeconômicos do município, Francisco Constantino Crocomo, afirmou que o AgtechValley também pode agrupar outros centros de pesquisas presentes na cidade e não ficar apenas no universo da Esalq. Sobre as instalações dos novos empreendimentos no município, o especialista se mostrou otimista, mas fez um alerta quanto ao período dos investimentos.
“É claro que existe campo para isso. Piracicaba é uma cidade com muitas possibilidades, principalmente agora com esse projeto do Vale do Piracicaba, mas é preciso pensar no momento. Estamos em recessão, em plena crise econômica. Apesar de ter demanda para novos empreendimentos aqui, os investimentos precisam ser pensados por conta do momento ruim do país”, contou o professor.

FONTE: http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2016/06/empresas-miram-vale-do-silicio-da-agricultura-e-mudam-para-piracicaba.html 



Projeto de urbanização no interior de São Paulo mostra forma diferenciada de investimento em infraestrutura e atendimento à geração Y

15 de junho de 2016 | Por nwmidia

Com investimento total próximo a R$ 150 milhões, Plano de Urbanização Carioba, na cidade de Americana, aposta em conceitos de compartilhamento para atender ensejos da geração Millennium e gerar infraestrutura complementar aos investimentos públicos tradicionais. 

9dejulho_aerea_final_visualizacao-800x526

 

Vista Aérea do Loteamento loteamento 9 de Julho. Nas extremidades, estão as outras fases de investimento, com residencias de padrão popular e alto padrão.

 

No momento em que o país discute formas de financiar investimento em infraestrutura, a ideia de núcleos completos, que mesclam habitações e empresas em grandes áreas comuns, pode ser uma estratégia que vai além de investimentos isolados e particulares. Em Americana, cidade do interior de São Paulo, uma área de 5 milhões de m² é exemplo disso. Trabalhada desde 1999 pela loteadora Cemara, o plano de urbanização Carioba entra em nova fase com o loteamento industrial e empresarial 9 de julho, cujo investimento com infraestrutura básica (terraplanagem, eletricidade, água e esgoto, pavimentação, etc.) chegou a R$ 20 milhões.

No momento em que o país discute formas de financiar investimento em infraestrutura, a ideia de núcleos completos, que mesclam habitações e empresas em grandes áreas comuns, pode ser uma estratégia que vai além de investimentos isolados e particulares. Em Americana, cidade do interior de São Paulo, uma área de 5 milhões de m² é exemplo disso. Trabalhada desde 1999 pela loteadora Cemara, o plano de urbanização Carioba entra em nova fase com o loteamento industrial e empresarial 9 de julho, cujo investimento com infraestrutura básica (terraplanagem, eletricidade, água e esgoto, pavimentação, etc.) chegou a R$ 20 milhões.

Esse projeto inclui uma área de 1 milhão de m², com mais de 430 lotes medindo cerca de 750 m² cada. Marcos Dei Santi, diretor da Cemara, explica, contudo, que outros 3 milhões de m² já foram loteados para residências do padrão econômico popular e mais 1 milhão de m² para residências de alto padrão. Todos esses investimentos completam uma cifra próxima a R$ 150 milhões. “A área empresarial e industrial fecha o circuito, formatando um bairro completo com emprego e moradia num raio médio de 1 km de distância”, diz ele.

A ideia da geração y é do compartilhamento, avalia o executivo. Segundo ele, em poucos anos essa geração estará no comando dos processos, se isso já não ocorre, e planos de urbanização como o Carioba atendem a esse ensejo. “Quando se concentra um grupo de empresas num loteamento como o 9 de julho, se permite a ideia do compartilhamento em várias esferas, incluindo serviços de RH, logística, segurança, alimentação, etc.”, diz ele.

Revolução imobiliária: geração y quer comodidade e não quer casa própria, mostra especialista norte-americano

Como exemplo, Dei Santi lembra que a locação de um ônibus fretado para transportar funcionários de uma média ou pequena empresa é cara e dificilmente viável, até pela dificuldade de preencher as cadeiras disponíveis. “Num centro empresarial, as empresas podem compartilhar esse recurso”, diz. Outro exemplo é o de alimentação, permitindo com que um dos condôminos, ou até uma empresa terceira, ofereça serviço de refeitório em massa a custos competitivos aos conseguidos por grandes indústrias. “E esse compartilhamento pode ser estendido a serviços de marketing, advocacia, etc.”.

O executivo da Cemara também reflete sobre o problema enfrentado pelas empresas de médio e pequeno porte nos centros urbanos atualmente. Ele diz que as cidades do interior paulista, como a maioria das pequenas cidades do país, foram pensadas de maneira tradicional, com um centro onde há a igreja e a proximidade do comércio, e com bairros com vocações pré-determinadas para indústria, comércio e moradia. “Com o crescimento dos últimos anos, as residências invadiram áreas industriais, os comércios as áreas residenciais e vice-e-versa. Conclusão: muitas das empresas, que ocuparam os espaços primeiro, hoje estão sitiadas, se tornando um estorvo para a população, quando não, tendo de obedecer às regras gerais de horário de funcionamento, dificuldade logística causada pelas ruas estreitas, etc.”, diz. “A proposta de um cluster, como é esse centro de urbanização, elimina essa problemática, permitindo que as empresas fiquem onde estão por quanto tempo desejarem e ainda possam contar com mão de obra próxima”, completa.

A Obra
O loteamento está prestes a ser entregue, com as obras de infraestrutura em fase final de execução. E elas, como detalha Luan Siviero, engenheiro da Cemara, envolveram uma tropa de 25 equipamentos pesados, entre caminhões basculantes, trator de esteiras, retroescavadeiras, escavadeiras e tratores agrícolas. Todos terceirizados. “Nas pavimentações, usamos 42 mil toneladas de resíduos de materiais de construção (RCD) britados na forma de bica graduada simples em uma usina de reciclagem pertencente ao mesmo grupo empresarial da Cemara”, detalha ele.

O loteamento tem ruas largas, com avenidas principais que chegam a 25 metros de largura, o que deve facilitar a movimentação de carretas posteriormente. Para isso, as pavimentações ocorreram de modo tradicional a partir da base de RCD – recebendo brita 2 na sub-base, seguindo com emulsão asfáltica e ligante antes do concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ) – em uma área total de 127 mil ². “Ainda na terraplanagem, realizamos mais de 8 km de drenagem e aplicamos uma técnica de contenção de solo diferenciada, que reduziu o nosso custo em mais de 50% nessa etapa, se compararmos com a aplicação de gabiões convencionais”, explica Siviero (veja notícia sobre essa aplicação).

A contenção foi necessária em pontos de elevação ou declínio topográficos porque o solo da região onde está o loteamento 9 de Julho tem trechos moles, onde poucos golpes são necessários para perfura-lo.

Voltando à infraestrutura, redes de esgoto (um total de 11,5) km também integram o local e as tubulações de cimento foram implantadas por escavadeiras e retroescavadeiras. Soma-se a isso outros 10,8 km de redes de água e o detalhe de que cada unidade está prevista com um reservatório para captação de água pluvial, o que deverá ajudar no abastecimento quando as empresas lá instaladas estiverem em plena operação.

Contenção em geotêxtil fica 50% mais econômica que gabião em obra de loteamento em São Paulo

O espaço conta ainda com 11,5 km de rede aérea de eletricidade, algo que está sedo entregue para a administração da CPFL – concessionária que atende a região. O mesmo ocorrerá com as vias do loteamento, que passarão a ser administradas pela prefeitura de Americana tão logo o loteamento passe a ser habitado.

Futuro
Na perspectiva de Marcos Dei Santi, a ocupação integral do 9 de Julho deverá ocorrer em 10 ou 15 anos e as ações de compartilhamento citadas no começo da reportagem estão sendo sugeridas pela Cemara – que instalou parte das áreas comuns, como salas de reuniões compartilhadas, salas de descanso para motoristas e portaria –, mas quem as aplicará será a associação dos proprietários, que deve ser constituída tão logo iniciem as ocupações. “A perspectiva é que haja áreas compartilhadas como sala de descanso, espaços de beleza, kids, fitness, caminhadas e jogos de mesa, além de lan house, campo de futebol society e churrasqueira dentro de um salão multiuso que estamos entregando construído”, diz ele.

Também em cidades do interior de São Paulo, a Cemara trabalha em outros quatro loteamentos empresariais e industriais que devem usar das experiências do 9 de Julho. “Dois deles deverão ser lançados em 2017, mas eles integram um contexto exclusivamente industrial, diferente do plano de urbanização Carioba, onde o 9 de Julho se inclui”, finaliza Dei Santi.

FONTE: http://infraroi.com.br/projeto-de-urbanizacao-interior-de-sao-paulo-mostra-forma-diferenciada-de-investimento-em-infraestrutura-e-atendimento-geracao-y/



Páginas:12»

Certificados e Prêmios



Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara