Mostrando posts da categoria: Investimentos em Loteamentos


Como o urbanismo garante qualidade de vida para os moradores de uma região

22 de fevereiro de 2018 | Por cemara

CEMARA_JOB_0207_18_POST_24_02_CEMARA_INFORMA

“Desde a primeira década dos anos 2000, a maioria das pessoas passou a praticar atividades físicas regularmente como forma de cuidar da saúde física e mental. Por isso, as praças públicas voltaram a ganhar o status de espaço de convivência social, mas com algumas releituras das antigas praças. É o antigo em formato de novo, onde as pessoas podem praticar atividade física, lúdica ou hobby, cuidando da saúde mental ou até mesmo aproveitar o tempo com a família, sem pagar por isso. Como arquiteta e urbanista há mais de 15 anos, noto que as praças voltam com toda força, oferecendo um convívio social que gera melhor qualidade de vida, além de bem-estar físico e psíquico. Na loteadora fundada pelo meu pai, adotamos o modelo em nossos empreendimentos há 4 anos. No mais recente, localizado em Hortolândia, no interior do estado de São Paulo, uma das praças que estamos desenvolvendo é a “Inspire-se”, que promove maior interação com os nossos cinco sentidos.

Ao passear pelo jardim de temperos, por exemplo, o morador terá o olfato e o paladar estimulados com aromas e sabores. Já o espaço tato será em formato de “mão”, composto por diferentes tipos de pisos como: borracha, areia, cimento, dentre outros, para proporcionar diversas sensações ao toque. Haverá também uma cortina de bambus que estará disposta em formato de uma “orelha” para percepção dos sons. O desenvolvimento destes espaços não é uma tarefa fácil. Diversos fatores devem ser

considerados ao montar um projeto desse tipo. Levamos em consideração aspectos como público – desde sua faixa etária até sua classe social –, clima da região, decli- vidade do terreno e costumes regionais, já que cada lugar tem suas particularidades e carências. Para buscar inspiração, viajo para diferentes lugares sempre que posso. É enriquecedor viajar com o olhar de arquiteto, já que consigo observar detalhes que, de outra forma, passariam despercebidos. Presto atenção em como os espaços estão sendo usados, o público frequentador, além de ver as cores dos equipamentos, o design dos mobiliários e os tipos de vegetação. Há praças muito bem empregadas em inúmeros lugares, mas principalmente na Europa, onde os espaços são reduzidos e trazem o projeto para uma escala humana.

São nos simples desenhos que se tem mais sucesso, como rampas gramadas para as crianças escorregarem, pisos de diferentes texturas, espaços para piqueniques, hortas e pomares comunitários. Em outro empreendimento localizado em Americana, me inspirei em Paris para criação de uma ampla praça com ruas circulares e sistema viário concêntrico – que dá a percepção de infinito. Há oportunidades para o desenvolvimento destas áreas em diversas regiões do Brasil. O público pede, cada vez mais, por melhoria na qualidade de vida em locais próximos de casa, sem pagar pelas horas de lazer. As praças, portanto, são mais do que uma fonte de respiro para os centros urbanos, ao mostrar seu potencial como espaço democrático para convivência entre famílias e amigos. As árvores e as plantas dividem espaço com uma infraestrutura que visa também ao conforto e tranquilidade da população em meio à correria do dia a dia.”

 

Raquel Dei Santi
Arquiteta e Urbanista
da Cemara Loteamentos

 

 



Trem de passageiros ligará Americana a São Paulo

4 de setembro de 2017 | Por cemara

O presidente da República Michel Temer garantiu na manhã desta terça-feira (28), em Brasília (DF), que o Trem Intercidades, que ligará São Paulo à Americana (SP), será incluído no programa de concessões da União. A informação foi confirmada durante audiência no Palácio do Planalto com o deputado federal Vandelei Macris (PSDB-SP), o presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), deputado Cauê Macris (PSDB), e o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado, Clodoaldo Pelissioni.

Temer também garantiu que o Governo Federal vai ceder a faixa de domínio da ferrovia, inclusive marcando a assinatura do documento que garante essa permissão para abril.

O uso da faixa de domínio do transporte de cargas era um dos entraves para a viabilidade do Trem Intercidades.

De acordo com Vanderlei Macris, Temer se mostrou entusiasmado com o projeto. “O presidente percebeu a importância do retorno do transporte ferroviário de passageiros e autorizou a inclusão do projeto que já se encontra na Secretaria Executiva do Programa de Parcerias para Investimentos”, ressaltou.

O segundo desafio vencido foi a concessão da linha férrea do transporte de cargas. “A estrutura já existe a partir da linha férrea do transporte de cargas, sem a necessidade de desapropriações ou licenças ambientais, faltava apenas o aval para que a as duas modalidades, carga e passageiros, pudessem compatibilizar”, completou Macris.

Fonte: https://portaldeamericana.com/2017/trem-de-passageiros-ligara-americana-sao-paulo/



Piracicaba é 2ª melhor do Brasil em ‘gestão municipal’, segundo estudo

16 de junho de 2017 | Por cemara

Levantamento de consultoria avalia desempenho de 100 maiores cidades.
Índice comparou situação dos municípios no período entre 2005 e 2015.

Vista aérea do Centro de Piracicaba, SP (Foto: Thomas Fernandes)

Um estudo entre as 100 maiores cidades do Brasil colocou Piracicaba (SP) como a 2ª melhor do país em gestão municipal. O levantamento da consultoria Macroplan avaliou, segundo a empresa, o desempenho dos municípios de 2005 a 2015 nas áreas de educação e cultura, saúde, segurança e saneamento e sustentabilidade.
Entre as melhores cidades indicadas no estudo, Piracicaba aparece atrás de Maringá (PR) e à frente de São José do Rio Preto (3º), São José dos Campos (4º) e Franca (5º), além de Campinas (6º), Limeira (8º) e Ribeirão Preto (11º).
O Índice Desafios da Gestão Municipal (IDGM) também listou as piores cidades do país. Considerados os mesmos 16 indicadores nas mesmas quatro áreas, o ranking dos municípios em situação mais complicada reúne: Duque de Caxias (RJ), na 96ª posição, seguida de Nova Iguaçu (RJ), Macapá (AP), Belford Roxo (RJ) e Ananindeua (PA), no 100º lugar.
As 100 maiores cidades do país analisadas no estudo representam, juntas, metade do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, conforme a consultoria.
Dados do estudo
Os números específicos do desempenho de Piracicaba entre 2005 e 2015 podem ser vistos no portal da companhia que realizou o levantamento. O estudo completo, com resultados dos 100 municípios avaliados, também pode ser consultado no site da consultoria.

Foto:Vista aérea do Centro de Piracicaba, SP (Fotógrafo: Thomas Fernandes)
Fonte:http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2017/03/piracicaba-e-2-melhor-do-brasil-em-gestao-municipal-segundo-estudo.html



Lar doce lar: Com loteamentos planejados, Cemara leva conceito de mobilidade e bem-estar aos bairros

14 de junho de 2017 | Por cemara

A Razão de Ser da Cemara, que desenvolve loteamentos há mais de 35 anos, no interior de São Paulo, é aplicada, em detalhes, em cada um de seus loteamentos. Seus projetos estão apoiados no propósito de melhorar a mobilidade dos moradores adequando os espaços ao perfil e interesse de cada um, sempre levando em conta a qualidade de vida e o bem-estar.
Os estudos de urbanismo agregam valor a um empreendimento que será, para muita gente, a moradia de uma vida inteira. Portanto, tudo deve ser minimamente calculado. E basta planejamento e organização para alcançar o propósito de viver bem – sejam por 10, 20 ou 30 anos.
É por isso que a Cemara estuda a localização de cada loteamento, além do seu entorno, para que a mobilidade não seja útil somente hoje, mas no futuro. É preciso olhar para a frente e identificar as possíveis transformações dos bairros ao longo do tempo, para que os projetos estejam preparados para a modernidade. Será que em 20 anos vamos continuar usando os automóveis como principal meio de locomoção? O que faremos em nossos momentos de lazer, por exemplo?
De olho nestas transformações urbanísticas, cada item de um bairro é analisado com base nos raios de distância entre os pontos principais: como escolas, hospitais e áreas de lazer, por exemplo. A equipe da Cemara pesquisa e mapeia o cotidiano da vida das pessoas que vivem em regiões no entorno e planeja os usos dos lotes, conforme esse mapeamento.
Os primeiros loteamentos, o Pau Brasil e o Jardim dos Ipês Amarelos, ambos em Americana, e o Parque Bella Ville, em Hortolândia, consolidaram essa metodologia. O conceito da curta distância está sendo levado para todos os empreendimentos – sejam abertos, com livre acesso a população, ou fechados, com portaria.
O que também virou padrão é o desenvolvimento de praças urbanizadas e de espaços para integração entre os moradores e a população vizinha. Em um de seus loteamentos, por exemplo, foi criado um espaço para estimular os sentidos por meio de cheiros, sabores, sons, imagens e texturas.
O resultado do planejamento urbano levando em conta o bairro como um todo, e o perfil dos lotes aliado às características de0 cada morador, com qualidade de vida e bem-estar a todos, valorizam o espaço. Dentro de um único loteamento, é possível encontrar vários tipos de terrenos, com diferenciais e preços distintos, de acordo com a necessidade das pessoas.
Não é à toa que os projetos da Cemara estão ligados à Razão de Ser da empresa – ocupação ordenada, com a urbanização das áreas de forma planejada e sustentável, para o convívio e o bem-estar social. Para entender melhor essa metodologia, aplicada pela Cemara nos últimos 5 anos, reunimos os principais fundamentos que envolvem os loteamentos da empresa. Saiba quais são:

1. Mobilidade urbana
Além da proximidade de espaços públicos, as vagas de estacionamento estão próximas às áreas de lazer e áreas verdes, garantindo maior número de vagas públicas por lote. Para os ciclistas, os loteamentos oferecem bicicletários e vias com declividade confortável para o seu uso. Para os pedestres, calçadas largas e arborizadas, sinalização com faixas para travessia e rampas para acessibilidade.
2. Educação
A distância até os centros de ensino é uma das preocupações da empresa. No Piazza Itália, por exemplo, empreendimento localizado em Piracicaba, há mais 30 escolas em um raio de 2 km, entre unidades das redes municipal, estadual e privada.
3. Comércio
Além das escolas, é providencial que a região onde o empreendimento esteja localizado seja próxima aos supermercados, farmácias e outros tipos de estabelecimentos. Desta forma, a loteadora também incentiva a economia local e a geração de novos empregos com empreendimentos mistos, ou seja, com a presença de lotes comerciais e residenciais em um mesmo espaço.
4. Saúde
Os empreendimentos estão localizados em regiões com fácil acesso aos hospitais, pronto-socorro e outros serviços de saúde, seja por meio do uso de transporte público ou privado.
5. Cultura e lazer
Os estudos de urbanização também contemplam a análise dos espaços e áreas de cultura e lazer disponíveis ou planejados na cidade. Dentro de cada loteamento, a Cemara também desenvolve praças urbanizadas e espaços de integração, que incentivam a cultura e lazer local.
Recentemente a empresa entregou sua primeira praça urbanizada em um loteamento aberto. Foi em Americana, no Jardim Esplanada, que já está sendo usada diariamente para o lazer e o bem-estar. No espaço, famílias inteiras estão se exercitando, com crianças e animais de estimação. O senso de vizinhança do bairro está em pleno vapor. Além disso, os empreendimentos são mapeados próximos a shoppings, museus, restaurantes, parques, sempre visando o aumento da qualidade de vida dos moradores.
6. Especificações técnicas
Todo o trabalho técnico de infraestrutura de um loteamento pode passar despercebido aos olhos do comprador, que em geral só enxerga só a infraestrutura física, como o asfalto e as áreas verdes. Mas o planejamento e a execução dessa infraestrutura passam por diversos fatores, como estudos de solo, topografia, condições climáticas, ventos predominantes, insolação, zoneamento, uso e ocupação de solo, além do saneamento básico. O olhar atento a esses detalhes fazem toda diferença na vida do futuro morador, até para que ele saiba o que está comprando e o que pode, legalmente, ser construído no terreno.
7. Sustentabilidade
As práticas sustentáveis vão além de atender às normas e legislações. A empresa investe na recuperação ambiental, recomposição de vegetação desmatada, manejo de áreas preservadas e na arborização de vias, como melhoria no clima local, umidade e ventilação. O uso de matéria-prima reciclada na construção civil também é regularmente aplicado. Em virtude dessas ações ambientais, a empresa foi recompensada duas vezes consecutivas, em 2015 e 2016, com o Certificado de Destaque Ambiental – Selo Verde.



SEIS MOTIVOS PARA COMPRAR UM LOTE EMPRESARIAL

21 de dezembro de 2016 | Por cemara

CEMARA_JOB_2591_16_POSTS_23_12_MOTIVOS

 

Já é consenso entre os empresários que, em tempos de retração econômica, minimizar custos deve ser um desafio diário. Diante deste cenário, novas alternativas têm surgido com o objetivo de manter vivo o sonho de expansão dos empresários. Foi pensando nisso que a Cemara Loteamentos desenvolveu o CEI Nove de Julho. Elaborado para atender empreendedores que querem ter sua primeira sede – ou, até mesmo, expandir fisicamente o negócio –, o espaço funciona como um “condomínio” corporativo, onde pequenos e médios empresários poderão compartilhar os custos com segurança, logística e estruturas de serviço. Conheça os seis motivos para adquirir um lote empresarial:

 

1 – Segurança: Com o loteamento fechado, o empresário tem a oportunidade de dividir a despesa com segurança com os demais condôminos.  O CEI Nove de Julho contará com duas portarias com vidraçaria blindada, possibilitando à associação de empreendedores estruturar o controle de acesso de uma sala de segurança monitorada.

 

2 – Investimento facilitado: Como os lotes podem ser parcelados diretamente com a loteadora, sem a intermediação de uma instituição financeira, muitos empresários se sentem atraídos pela ideia de ter uma sede própria. A Cemara, por exemplo, comercializa os seus lotes, com parcelas a partir de R$ 4.215*.

 

3 – Compartilhar é agregar: Com um projeto de loteamento fechado, o empresário tem a chance de compartilhar suas áreas comuns com outras empresas. O CEI Nove de Julho também tem a proposta de construir espaços para uso compartilhado dos colaboradores, como sala de descanso, campo de futebol society e churrasqueira.

 

4 – Boa localização: Com a proposta de se desenvolver em um local estratégico, o loteamento empresarial Nove de Julho foi estruturado para suprir adequadamente o trânsito de veículos de grande porte. Também está em uma região estratégica para o escoamento de cargas e proximidade com importantes rodovias, o que facilita o processo de logística das empresas.

 

5 – Público diversificado: O relacionamento com diferentes públicos para captação de novos clientes e negócios é essencial e facilmente aplicado em um condomínio empresarial. No CEI Nove de Julho estarão presentes empresas de segmentos bem diversificados. É uma oportunidade e tanto para fazer negócios com os próprios vizinhos.

 

6 – Maior capacitação em um menor período de tempo: A concentração física de empresas de diferentes setores no mesmo local é capaz de proporcionar vantagens que outros tipos de locações não oferecem. A principal delas é o desenvolvimento do capital humano, podendo atrair atividades focadas em programas de treinamento. Em lotes empresariais, escolas técnicas e escolas de negócios podem aumentar a capacitação técnica da equipe e gerar ganhos de tempo para as empresas envolvidas.

 

*Parcela referente ao lote 04 da quadra 07, com área total de 752,50 m2, entrada em 06 parcelas de R$ 6.521,67, 10 parcelas intermediárias anuais de R$ 10.000,00 e 114 parcelas de R$ 4.215,00 (Todas as parcelas serão corrigidas mensalmente pelo IGPM). Condições gerais para aquisição, consulte um corretor. Valor válido até 31/12/2016 ou até que referido lote seja vendido.  



QUATRO MOTIVOS PARA COMPRAR UM TERRENO

6 de abril de 2016 | Por admin

Facilidade no pagamento e toque pessoal na construção são os grandes atrativos

A aquisição de uma casa já pronta ou um terreno para construir? Na hora de comprar um imóvel, um lote pode ser uma ótima opção, principalmente para quem busca facilidade de pagamento e um espaço para construir de acordo com as suas preferências pessoais.

“O consumidor que procura um terreno quer um melhor custo X benefício, em relação à compra de um imóvel pronto, já que ele pode definir o prazo e um orçamento para a realização de cada fase de sua obra”, comenta Raquel Dei Santi, Arquiteta e Urbanista da Cemara Loteamentos, empresa que desenvolve empreendimentos residenciais e empresariais no interior de São Paulo.

A arquiteta elencou quatro motivos que justificam a compra de um terreno. Saiba quais são:

– Construir de acordo com as preferências do proprietário:

Para o consumidor que deseja ter uma casa que contemple os seus desejos, a compra de um terreno pode ser ideal. A disposição dos quartos, a área de lazer e os tamanhos dos banheiros ficam ao gosto do dono.

– Pagar o terreno para depois construir:

Para quem está com pouca grana, uma opção é pagar primeiro as parcelas do terreno, para depois iniciar as obras. É uma forma de obter a casa própria sem onerar o orçamento familiar.

– Não ter a preocupação de desembolsar uma quantia de uma só vez:

É possível fazer dois planejamentos, um para construir a casa – levantar as estruturas – e outro para colocação de materiais de acabamento – como pisos, azulejos, janelas e a pintura.

– Barganhar preços na compra dos materiais:

Ao construir a própria casa, o consumidor pode fazer uma pesquisa junto aos diversos estabelecimentos para identificar os produtos que serão usados na construção. Ele poderá alinhar custo com qualidade e ter a certeza que seu imóvel tem materiais de primeira linha.

INFOGRaFICO 4 MOTIVOS PARA COMPRAR UM TERRENO

SOBRE A CEMARA

Fundada no final da década de 1970, em Americana (SP), a Cemara Loteamentos iniciou a trajetória no mercado imobiliário para contribuir de forma direta no desenvolvimento social e urbano de diferentes municípios. A cidade de origem da empresa, por exemplo, é um de seus principais cases de sucesso, com 16 projetos realizados e 12 mil lotes implantados, que ajudaram a realizar o sonho de mais de 60 mil pessoas que hoje possuem terreno ou casa própria, representando 26% da população atual de Americana.
Há 36 anos no mercado e com uma filial em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, já vendeu mais de 21 mil terrenos em diversas cidades do interior do estado de São Paulo. Desde então, já foram realizados 37 loteamentos que geraram mais de 12 milhões de metros quadrados de áreas urbanizadas.
www.cemara.com.br

ECONOMÍDIA

Informações para a imprensa:

Tel.: (11) 2579-5404

Gisele Gomes – (11) 99103-0946
gisele.gomes@economidia.com.br
Erica Martin – (11) 99637-9854
erica.martin@economidia.com.br



Americana ganha loteamento industrial fechado

| Por admin

Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho receberá investimento de 80 milhões; loteamento fica às margens da Anhanguera e pode gerar até seis mil empregos diretos

Americana, 02 de maio de 2013 – A Cemara Loteamentos anuncia a expansão de seus negócios ao apresentar seu primeiro loteamento industrial, o Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho em Americana, interior paulista. Com acesso pela Avenida Nicolau João Abdalla (portaria principal) – quilômetro 128 da Rodovia Anhanguera (SP-330) -, o loteamento será totalmente fechado e vai ocupar uma área de 812 mil metros quadrados, divididos em 439 lotes com metragem mínima de 750 metros por terreno.

Com investimento em torno de 80 milhões, o loteamento é destinado a indústrias de pequeno e médio portes e deve gerar aproximadamente seis mil empregos diretos com a instalação das empresas no local. Além disso, fica próximo aos bairros mais populosos de Americana, favorecendo assim a mão de obra local.

A localização do loteamento, próximo às principais rodovias do país, permite rápido escoamento de cargas. Sua estrutura contempla portaria principal e secundária, com controle de acesso e vidros blindados, central de resíduos, salão multiuso para lazer e serviços, restaurante, balança, ambulatório e salas para atendimento e reuniões, além da previsão de instalação de um heliponto e de projeto específico de instalação de para-raios. “Internamente, o planejamento urbano conta com avenidas largas e ruas amplas visando a suprir adequadamente o trânsito de veículos de grande porte das empresas instaladas no local”, conta o diretor da loteadora, Cesar Dei Santi.

Devidamente licenciado pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), o loteamento terá 154 mil metros quadrados de área verde preservada e enriquecida. Anexo ao loteamento, haverá 180 mil metros quadrados de APP (Área de Preservação Ambiental), totalizando 334 mil metros quadrados de área verde, o que corresponde, aproximadamente, a três Parques Ecológicos de Americana. “Além disso, a loteadora está buscando junto aos órgãos competentes a aprovação do projeto de implantação de uma Estação de Tratamento de Efluentes Industriais (ETE) no loteamento”, explica outro diretor da Cemara, Marcos Dei Santi.

O projeto paisagístico do loteamento é baseado na valorização e preservação da flora e fauna locais, integrando a área urbanizada à área de preservação ambiental. “Esta completa estrutura de serviços proporcionará mais segurança ao cotidiano das empresas, contribuindo para o desenvolvimento do negócio como um todo, além de oferecer mais qualidade de vida aos proprietários, funcionários, clientes e visitantes”, explica a arquiteta e urbanista da Cemara, Raquel Dei Santi.

Perspectiva aérea da implantação. Crédito: Divulgação

Perspectiva Ilustrada da Portaria. Crédito: Divulgação

 



Cemara expande atuação e apresenta o Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho

8 de março de 2013 | Por admin

Loteamento industrial fechado terá 439 lotes a partir de 750 m² cada.

Com mais de 33 anos de história no segmento de loteamentos residenciais e comerciais, em 2013, a Cemara Loteamentos amplia sua atuação e apresenta o Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho. Localizado estrategicamente na RMC (Região Metropolitana de Campinas), em Americana, às margens da Rodovia Anhanguera (km 128), o empreendimento é um dos maiores e mais modernos loteamentos fechados industriais da região.

Com 439 lotes a partir de 750 m² cada, o Centro Empresarial e Industrial Nove de Julho oferece completa estrutura de serviços, planejada para oferecer e garantir mais segurança ao cotidiano das empresas, contribuindo para o desenvolvimento do negócio como um todo. O loteamento terá portaria social e de serviços, central de resíduos, ambulatório, salão multiuso para lazer e serviços e salas para atendimento e reuniões, além disso, o pagamento é amplamente facilitado com a loteadora.

Com 154 mil m² de área verde, o loteamento conta com projeto paisagístico para valorização e preservação da flora e fauna locais, integrando a área urbanizada à área de preservação ambiental, proporcionando mais qualidade de vida aos proprietários, funcionários, clientes e visitantes.

Registrado recentemente nos órgãos competentes, a empresa prepara o pré-lançamento do empreendimento. Para mais informações, entre em contato com nossa equipe de vendas pelo telefone 19 3475.8004 ou pelo nosso site.



Habitação será o principal destino de crédito do sistema financeiro em 2013

18 de janeiro de 2013 | Por admin

Setor Habitacional só perde para is empréstimos pessoais, mas fica a frente do crédito para veículos.

Por Heraldo Marqueti Soares

SÃO PAULO – Já no 1º semestre de 2013, o crédito habitacional deverá se tornar a principal modalidade de empréstimo concedido às pessoas físicas no âmbito do Sistema Financeiro Nacional.

As informações são de um estudo especial sobre crédito imobiliário feito pela Serasa Experian, baseado em análises da evolução dos saldos das modalidades das carteiras de crédito, divulgadas pelo Banco Central.

Após 11 anos o setor deverá reconquistar a liderança entre as modalidades. Em 2008 o crédito habitacional ocupava a 5ª colocação, com R$ 63 bilhões: 12% do total. Em novembro de 2012 saltou para a 2ª colocação com R$ 270 bilhões em crédito – quase 25% do total do crédito absorvido pelas pessoas físicas no País.

Segundo as informações do último levantamento do Banco Central de novembro de 2012, a modalidade habitacional só perdia para a de crédito pessoal, conforme a tabela a seguir:

Ranking

Modalidade

Quantia

Share

*Banco Central do Brasil

Empréstimo Pessoal

R$ 281 bilhões

25,8%

Habitacional

R$ 270 bilhões

24,8%

Veículos (inclui leasing)

R$ 201 bilhões

18,5%

Outros

R$ 148 bilhões

13,6%

Rural

R$ 121 bilhões

11,1%

Cartão de Crédito

R$ 38 bilhões

3,5%

Cheque Especial

R$ 21 bilhões

1,9%

Aquisição de outros bens

R$ 10 bilhões

0,9%

Principais destinos de crédito em novembro de 2012

Fonte: Infomoney



Varejo e fundos imobiliários lideraram rentabilidade em 2012

16 de janeiro de 2013 | Por admin

Carteiras que englobam empresas ligadas ao varejo, ao setor de educação e aos fundos imobiliários foram os mais rentáveis de 2012.

Foto: Shutterstock

Investidores que aplicaram nas carteiras dos índices de Consumo (ICON), de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) e de Small Cap (SMLL) tiveram ganhos bastante promissores em 2012. Segundo a BM&F Bovespa, esses foram os mais rentáveis do ano passado, com taxas de 40,44%, 35,04% e 28,66%, respectivamente. O bom momento vivido pelo mercado imobiliário e o impacto da crise econômica nas commodities são as principais razões para a alta lucratividade desses índices.

O desempenho do IFIX nos últimos anos já era de crescimento significativo. O cenário atual traduz não só a expansão de um mercado até então desconhecido no Brasil, mas também da própria economia do País, com aumento de renda e baixo nível de desemprego. “A demanda cresceu muito de uns anos para cá”, avalia o analista de investimento da SLW Corretora, Pedro Galdi. Com o boom do crédito imobiliário e a segurança jurídica oferecida a quem concede o financiamento (por meio da alienação fiduciária), shoppings, condomínios e casas foram levantados, houve escassez de grandes terrenos em grandes centros, e esses fundos passaram a arrecadar mais, como pontua o analista Richard Rytenband, diretor do Instituto de Formação Profissional (Infopro Brasil). Uma das vantagens desse índice, segundo ele, é a distribuição mensal dos lucros. A vacância dos imóveis e a retração do mercado são alguns dos riscos.

Já o ICON e o Small Cap entram na lógica da rotação de setores. Com o processo de desaceleração das economias desde 2010 e o agravamento da crise, o setor de commodities foi um dos abalados, observa Galdi. Investidores migraram para carteiras consideradas defensivas, que concentram empresas voltadas para o consumo não cíclico, menos sensíveis ao momento de baixa. “Esses setores ganham dinheiro mesmo quando a economia não vai muito bem. As pessoas são obrigadas a continuar consumindo”, explica Rytenband. O varejo foi um dos mais beneficiados, com elevação do valor das ações, além do setor educacional, considerado estratégico pelo analista.

Para os próximos anos, ICON e Small Cap não devem repetir o desempenho com essa magnitude. Com a economia em processo de recuperação, Rytenband aposta que os grandes investidores optarão novamente pela rotação da carteira, transferindo suas apostas para setores de consumo cíclico. “Nos próximos meses, será muito interessante investir em commodities”, prevê o analista. Já o IFIX deve continuar valorizado. O mercado imobiliário no País, segundo Rytenband, está na infância e ainda tem muito espaço para crescer. “Se for comparar o tamanho dos mercados, é covardia. Nos Estados Unidos, ele existe há mais de 40 anos”, frisa. Com o juro em queda, esse produto ainda deve ser um atrativo para investidores.

Fonte: Terra


A valorização do mercado imobiliário regional

29 de maio de 2012 | Por admin

Nos últimos anos, o mercado imobiliário nacional passou por profundas transformações. Com o fortalecimento da moeda, o equilíbrio das contas públicas, o baixo risco fiscal, a retomada dos bancos ao crédito imobiliário, além do aumento do emprego formal, da renda da população e da queda das taxas de juros, o segmento se tornou uma rentável e sólida forma de investimento.

Segundo a gerente de Vendas da Cemara Loteamentos, Carla Roberto, “o mercado imobiliário tem valorização média de 25% ao ano. Já a caderneta de poupança, por exemplo, com as recentes mudanças feitas pelo governo, tem rentabilidade de cerca de 6% ao ano”.

De acordo com pesquisa realizada pelo site Global Property Guide, que auxilia investidores na busca de imóveis ao redor do mundo, o Brasil ficou em 2º lugar no ranking mundial de valorização imobiliária, ficando atrás apenas da Índia no ranking da variação dos preços dos imóveis, que incluiu 35 países.

E a tendência é que esta valorização se mantenha. Com relativo crescimento no destaque internacional, o mercado imobiliário brasileiro tem cada vez mais investidores focados no país. “A redução da rentabilidade das aplicações financeiras e a relativa queda nas taxas de juros, farão aumentar a busca por imóveis residenciais e comerciais como alternativa para obtenção de maior rentabilidade”, conta Carla Roberto, gerente de Vendas da Cemara Loteamentos.

Entre os benefícios gerados pelo investimento em imóveis, estão, além do dinheiro do aluguel:

• A oportunidade de compra de imóveis no início de sua implantação garante grande rentabilidade em médio prazo, sendo uma excelente opção de investimento atualmente;
• A expansão do local onde o imóvel é adquirido, certamente, garantirá aos proprietários retornos vantajosos quanto ao investimento realizado;
• O proprietário poderá reformar e transformar o imóvel, fazendo com que o valor e seu rendimento sejam ampliados. (mais…)



Saiba como se organizar para o financiamento imobiliário

26 de maio de 2012 | Por admin

Fazer reuniões de família e se planejar para gastos extras são algumas das sugestões de especialistas para quem quer realizar o sonho da casa própria. Veja as 5 principais dicas

Thatiane Faria Barroso

O mercado imobiliário brasileiro ainda está aquecido, os preços estão altos e os metros quadrados, dependendo da região, caríssimos. Mesmo assim, conquistar a casa própria é um sonho que muitas pessoas não estão dispostas a adiar. Mas antes de fechar um financiamento, é preciso se organizar, dizem especialistas.

Verificar o orçamento familiar, pesquisar muito bem os imóveis, estudar os melhores bancos e as taxas embutidas em um crédito, além de pensar nos possíveis gastos para reforma e decoração são tarefas essenciais para o comprador da casa própria.

Especialistas consultados pelo iG ajudam na organização financeira para o processo do financiamento. Veja abaixo os principais pontos levantados por eles.

1 – Defina onde quer morar

O primeiro passo, na visão de Reinaldo Domingos, educador financeiro do Dsop, é definir onde se quer morar. “Existe uma enorme variedade de imóveis e padrões hoje em dia. É preciso se perguntar: qual é o meu padrão?”, diz.

Os imóveis podem ser divididos entre casas ou apartamentos, tamanho, número de dormitórios, de vagas na garagem, localização, enfim, diversos quesitos que interferem no preço final de cada um.

2 – Faça uma avaliação da renda familiar

E é por isso mesmo que o segundo passo está diretamente ligado ao primeiro. Sabendo qual é o seu foco e o custo, é hora de analisar a renda da família e a capacidade de comprometimento de parte dessa renda com o financiamento, afirma Domingos. (mais…)



Páginas:123456»

Certificados e Prêmios



Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara