Mostrando posts da categoria: Dicas


Aprenda a dar mais vida aos móveis antigos

28 de novembro de 2019 | Por cemara

Sabe aquele móvel antigo que está no canto da sala e que você está pensando em jogar fora? Pense duas vezes. Com um pouco de tempo e o material correto, é possível dar mais vida para a peça, deixando-a com aparência de nova.

Confira dicas para essa prática econômica e sustentável.

Dica 1: Analise o móvel e faça listas

Antes de iniciar, é importante saber quais materiais e ferramentas você irá precisar. Para facilitar o processo, crie listas que ajudarão na organização.

Para iniciar, é simples: separe todos os móveis que você deseja restaurar e faça uma análise minuciosa. Comece identificando todas as imperfeições, como arranhões e manchas, por exemplo.

Por fim, crie a lista de materiais que irá precisar. Itens que não podem ficar de fora, independente do estado do móvel, são: verniz, tinta da cor desejada, lixas, pincéis, panos e lona ou jornal velho para proteger o chão.

Dica 2: Escolha um local

Leve todo o material e móveis para o local onde irá fazer a restauração. Dê preferência para locais externos com cobertura e entrada de luz natural. Dessa forma, o cheiro forte do verniz e da tinta não ficará por muito tempo no ambiente, ao mesmo tempo em que a iluminação permitirá atenção extra aos detalhes.

Dica 3: Vá com calma e por partes

A pressa é inimiga da perfeição. O ditado popular é uma verdade absoluta nesse quesito. Ao fazer a restauração do móvel, tenha calma. Os detalhes precisam de atenção redobrada e, quando feitos com atenção, preservarão a peça por mais tempo.

Confira as etapas:

  • Inicie o processo removendo os acessórios (dobradiças e puxadores, por exemplo).
  • Faça a limpeza de toda a peça com o pano úmido e, logo em seguida, passe um pano seco.
  • Lixe toda a superfície do móvel que deseja reparar.
  • Limpe novamente toda a superfície, para retirar os resquícios após lixar.
  • Escolha a cor da tinta do seu agrado e, com auxílio de pincel, pinte toda superfície.
  • Deixe secar por, no mínimo, 3 horas.
  • Repita o processo de pintura.
  • DICA: Ao pintar, passe o pincel sempre na mesma direção (na horizontal, da direita para esquerda; ou na vertical, de cima para baixo etc.).
  • Após a secagem completa, recoloque os acessórios.

Use sua criatividade!

Confira alguns exemplos de antes e depois de móveis restaurados:

Gostou dessa matéria?

Quer conferir mais dicas como essa? Acesse o nosso blog! Semanalmente há conteúdo novo e exclusivo para você, amigo Cemara!



Como instalar rodapé em apenas 3 passos

12 de novembro de 2019 | Por cemara

Instalar o rodapé é essencial. Este acabamento dará vida ao ambiente, além de deixá-lo ainda mais atrativo e diferenciado, suavizando a divisão entre parede e piso. O melhor de tudo isso é que a aplicação é extremamente fácil. Confira!

Passo 1: Escolha o rodapé

O passo mais importante é a escolha do rodapé. Ele será responsável por deixar o ambiente ainda mais alegre e sofisticado. Para isso, é necessário entender cada cômodo com um conceito. Quarto de criança pede rodapé mais neutro, para “quebrar” o colorido da pintura e do papel de parede, por exemplo.

Caso o cômodo já tenha rodapé instalado, o primeiro passo é removê-lo completamente. Para isso, use uma espátula e um martelo. Coloque a espátula na divisão entre o rodapé e a parede. Usando o martelo, force com cuidado a espátula para remover completamente a peça e não danificar o espaço.

Foto: Duratex Madeira / Divulgação

Passo 2: Adapte as peças

Antes de iniciar o processo, tire as medidas de todo o ambiente e faça a adaptação, se necessário, das peças. Dê atenção especial aos cantos para garantir o alinhamento correto. Caso seja necessário, faça cortes na diagonal, pois são mais fáceis de alinhar e disfarçam possíveis imperfeições ocorridas durante a instalação.

Foto: Arquiteturainteriores.com / Divulgação

Passo 3: Instale o rodapé

Antes de iniciar a fixação, simule a aplicação. Coloque as peças lado a lado para ver se estão preenchendo todo o espaço. Somente após ter certeza dos encaixes, inicie a colagem.

Existem duas opções disponíveis para a fixação de rodapés: utilizar pregos e martelo ou usar cola específica, chamada de “prego líquido”. Se possível, dê preferência para a cola, pois apresenta maior fixação e permite ao acabamento mais sofisticação.

Gostou dessa matéria?

Quer conferir mais dicas como essa? Acesse o nosso blog! Semanalmente há conteúdo novo e exclusivo para você, amigo Cemara!



Dicas para aproveitar a casa no Halloween

31 de outubro de 2019 | Por cemara

Ao passar dos anos, o Halloween tornou-se cada vez mais popular no Brasil. Festas temáticas são realizadas em escolas, bares e até mesmo em áreas públicas como praças e parques, promovidos pela prefeitura de cada cidade. A data é uma oportunidade para fantasiar e dar vida aos monstros e filmes de terror – não só através de pessoas, mas também por meio de decorações nas casas.

Separamos algumas dicas para você se inspirar e enfeitar a casa para o Halloween. Confira!

Use abóboras!

Uma boa decoração de Halloween não pode deixar de lado a famosa abóbora esculpida. Conhecida nos Estados Unidos como Jack O’ Lantern, o item tornou-se símbolo mundial de referência da festa. É fácil fazê-la. Basta escolher uma abóbora grande e cortar os olhos e boca. Para facilitar o processo, faça uma abertura no topo da abóbora e retire toda a polpa com o auxílio de uma colher.

São vários modelos para escolher, de acordo com o tamanho da abóbora escolhida.

Foto: Divulgação / Pinterest

Faça morcegos assustadores!

Escolha o modelo de um morcego que lhe agrada. Imprima e use-o de molde para replicar o enfeite em papel cartão da cor que desejar – use roxo, preto ou laranja para ficar ainda mais assustador! Corte e cole diversos morcegos pela casa.

Foto: EuDecoro.com

Comidas e bebidas também são decorações!

Ao planejar o menu para festa, lembre-se do tema e use toda a criatividade para tornar os comes e bebes parte da brincadeira.

Confira alguns exemplos:

Foto: Divulgação / Pinterest

Foto: Divulgação / Pinterest

Foto: Divulgação / Pinterest

Foto: Divulgação / Pinterest

Por fim: divirta-se e aproveite a festa!



Como facilitar a instalação de cubas em pias

| Por cemara

Pode riscar mais um item da sua lista: colar a cuba da pia não será mais um problema a ser resolvido. Esse guia prático ensinará uma prática solução, em apenas três passos, para concluir essa etapa de acabamento em obras – seja na construção ou na reforma da casa.

Limpeza em primeiro lugar

Para garantir aderência à cuba, é necessário que a área de aplicação esteja livre de poeira ou resto de selante de aplicações anteriores. Faça a limpeza completa sem deixar resíduos antes de iniciar a instalação.

Aplicação de selante sem segredos

O passo mais importante é a aplicação do selante. É ele que irá determinar o acabamento.

Caso a cuba seja de apoio ou de sobrepor, vire-a de ponta cabeça e coloque o selante direto na peça. Tenha o cuidado de fazer a aplicação uniforme, para garantir a aderência correta de todos os lados. Ao terminar de aplicar, vire-a do lado correto e pressione suavemente a cuba na superfície onde ela deverá ficar. Com os dedos, limpe a borda da peça para retirar o excesso de selante.

Atenção aos detalhes: ao fazer a aplicação, tenha certeza de que a superfície está seca. Há no mercado produtos que permitem a aplicação e garantem a aderência em superfície úmida, mas a maioria não possui essa característica. Por precaução, leia a indicação no rótulo do produto.

Foto: ELOISE DONATTI / Adorodecorar.com.br

Já em cubas de embutir ou semiencaixe, o selante deve ser aplicado apenas na borda da peça – local onde haverá o contato da cuba com a superfície. Após a aplicação, não passe pano para retirar o excesso do selante, pois pode deixar resquícios: utilize os dedos.

Para garantir o processo de fixação correto, coloque embaixo da cuba um suporte que dê apoio, como um banquinho, para não forçar a borda.

Foto: Casoca.com.br

Tempo para a perfeição

Indiferente ao modelo da cuba da sua pia, é necessário respeitar o prazo para secagem do selante. Para garantir o bom funcionamento, aderência e acabamento, o tempo de espera mínimo exigido é de 24 horas.

Gostou dessa matéria?

Quer ter acesso a mais dicas como essa? Acesse o nosso blog! Semanalmente há conteúdo novo e exclusivo para você, amigo Cemara!



Método infalível para instalar a caixa d’água

18 de outubro de 2019 | Por cemara

Há muito tempo a instalação de caixa d’água deixou de ser item de luxo nas construções e tornou-se essencial. No entanto, ao escolher instalar o reservatório, é necessário estar atento ao modelo ideal que irá atender a necessidade da sua família.

Confira as dicas da Cemara para você!

 

Por que optar por uma caixa d’água?

Ter fornecimento ininterrupto de água é o objetivo principal de quem escolhe instalar o reservatório no imóvel. Às vezes, o fornecimento de água é interrompido momentaneamente pela rede de distribuição e causa problemas para os moradores. Esse imprevisto pode ser contornado ao ter uma instalação de caixa d’água na residência.

Outros motivos para optar pela instalação são:

  • Diminuir a pressão da água que chega da rua
  • Tornar o uso mais econômico
  • Evitar sobrecarga nas tubulações internas

 

Qual é o modelo indicado para a minha casa?

Atualmente, são diversos os tipos, materiais e modelos de reservatórios que existem no mercado. Os mais comuns são de polietileno, mas há grande procura por outros materiais, como fibra de vidro e aço inox.

Contudo, o que fará diferença em sua residência é o tamanho da caixa d’água. Os modelos podem variar de 500 a 15 mil litros de capacidade. É importante saber o tamanho ideal para nunca faltar água – e nem sobrar em abundância.

Para determinar qual comprar, leve em consideração: quantas pessoas moram na residência e quantos dias de reserva a caixa d’água será capaz de armazenar. Faça a conta:

Número de pessoas da casa x média em litros de água utilizado por cada pessoa diariamente (150) x dias de reserva = tamanho ideal.

Em uma casa de duas pessoas, para 3 dias de reserva, a conta ficaria da seguinte maneira:

2 x 150 x 3 = 900 litros.

Com o resultado em mãos, fica mais fácil na hora de optar por qual o tamanho de reservatório escolher.

 

Como instalar a caixa d’água?

Após definir as características essenciais para a escolha do reservatório, inicia o processo de instalação. Não há segredos. A instalação é simples, mas os detalhes são o que compõem o método infalível para aumentar a vida útil e o bom funcionamento da caixa d’água.

Confira, em 3 passos, como fazer a instalação correta para evitar problemas no futuro:

Passo 1: escolha do local

O espaço para assentamento da caixa d’água deve ser plano, liso e nivelado. É necessário que tenha tamanho suficiente para acomodar o reservatório e deixar “respiros” de, no mínimo, 60 cm ao redor, para facilitar a limpeza e a manutenção.

Passo 2: utilização de ferramentas corretas

Leia o manual do produto e respeite as indicações. Utilize a furadeira, a broca e lixa indicadas pelo fabricante. Seguir este detalhe garantirá um bom acabamento estético e evitará rebarba, que pode impedir o encaixe correto da tubulação.

Peça 3: uso correto das tubulações

A caixa d’água conta com quatro tubulações. São elas:

  • Entrada, que alimenta o reservatório
  • Saída, que distribui a água para a residência
  • Extravasor (“ladrão”), que evita que a caixa transborde
  • Limpeza, para escoamento da água depois da manutenção

Cada uma delas deve ser inserida no local correto, de acordo com a indicação no manual do reservatório escolhido. Preze por conexões e registros de alta qualidade, pois são eles que irão garantir o bom funcionamento da instalação.

Ao tomar esses cuidados simples, você evita dor de cabeça no futuro.

Gostou dessa matéria?

Quer ter acesso a mais dicas como essas? Acesse o nosso blog! Semanalmente há conteúdo novo e exclusivo para você, amigo Cemara!

Fonte: Casa do Construtor < https://info.casadoconstrutor.com.br >



Aproveite o Dia das Crianças com brincadeiras fáceis e divertidas

11 de outubro de 2019 | Por cemara

O que você irá fazer no Dia das Crianças? A data é o momento ideal para passar mais tempo com os pequenos. Por isso, separamos algumas dicas de brincadeiras fáceis e divertidas para deixar o dia ainda mais agradável para toda a família. Confira!

RECICLAGEM É BRINCADEIRA!

Sabe aquelas garrafas pets de água, suco e refrigerante que você iria jogar fora? Recicle-as! Chame as crianças e, juntos, utilize canetinhas e cartolinas para personalizar.

Além de estimular a criatividade e ensinar a importância da reciclagem, é possível fazer várias brincadeiras!

Boliche: arrume as garrafas lado a lado em formato de triângulo e utilize uma bola para jogar e tentar derrubá-las. Prático e divertido!

Foto: Pra Gente Miúda < https://www.pragentemiuda.org >

Jogo de Argolas: espalhe as garrafas e, com uma argola, jogue para ver quem consegue acertar!

Foto: Pra Gente Miúda < https://www.pragentemiuda.org >

MINI CHEF

Crianças adoram ajudar na cozinha! Aproveite o dia e deixe os pequenos ajudarem no preparo das refeições.

Faça brigadeiro! Fácil e rápido, a sobremesa é adorada pelas crianças. A receita é muito fácil e vai unir a família toda na cozinha! A criança pode misturar todos os ingredientes em uma panela e depois o pai ou a mãe cuida da mistura no fogão.

Outra forma é pedir para eles criarem decorações no prato. Almoçar ficará ainda mais gostoso!

Foto: Pinterest / Divulgação

Foto: Raphaella Cordeiro / Divulgação < https://www.hojeemdia.com.br >

MASSINHA CASEIRA

Coloque a mão na massa! Com apenas 2 xícaras de farinha de trigo, 1 xícara de sal, meio copo de água e tinta guache, é possível fazer uma massinha caseira para as crianças brincarem. Inove! Misture cores, glitter e tudo mais que a criatividade permitir!

Foto: Tati Abreu / Editora Globo < https://revistacasaejardim.globo.com >

TEATRO DE SOMBRAS

Essa brincadeira é ótima para desenvolver a criatividade e diminuir o medo de escuro dos pequenos. É fácil fazer: tudo que você precisa é de uma lanterna e uma boa história. Ao contá-la, use as mãos para fazer os personagens.

Foto: Formas Animadas < https://formasanimadas.wordpress.com/ >

 

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS!

Neste Dia das Crianças, a Cemara parabeniza todos os papais e mamães que cuidam com tanto carinho e amor daqueles que são o nosso maior tesouro e esperança para o futuro: as crianças. Parabéns!

Aproveitem o dia! 😉

 

Referências: https://revistacasaejardim.globo.com & https://www.pragentemiuda.org



Saiba escolher o revestimento de parede

3 de outubro de 2019 | Por cemara

Após concluir a etapa de construção, o acabamento é a parte que mais exige tempo e dedicação. É a partir dela que a casa passará a ter identidade, ou seja, quando a casa se torna lar. Parte importante deste processo é a escolha do revestimento de parede.

São várias as opções disponíveis no mercado. Azulejos, madeiras, pastilhas, cerâmicas ou ainda autoadesivos decorativos. Entre tantas opções, como saber qual é o ideal para cada cômodo? O segredo está nos detalhes.

O melhor revestimento para cada cômodo

Antes de escolher o tipo de revestimento, pense na praticidade e objetivo de cada ambiente. Para não errar na escolha, são necessários alguns cuidados.

Áreas úmidas

Cômodos que possuem maior contato com a água, como cozinha e banheiro, o indicado é a utilização de azulejos, porcelanatos e pastilhas. Estes revestimentos frios são resistentes à umidade e ajudam a evitar o mofo – além de oferecerem mais praticidade na hora da limpeza.


Fonte: Arquitetando ideias (
https://www.instagram.com/p/Bo39DAOlQoJ/ )


Fonte: Thaisa Bohrer
https://www.instagram.com/p/BpZJ6ALAqad/


Fonte: PKB (
https://www.instagram.com/p/BkQ3vzTFIY7/ )

Ambientes secos

Quarto e sala possuem maior variedade de opções para aplicação de revestimento – ainda mais com papéis de parede que servem como decoração, mas são frágeis em contato com a água. Estes ambientes permitem apostar em materiais como laminados, madeiras, bambus e autoadesivos decorativos.


Fonte: Yanaina Interior Design (
https://www.instagram.com/p/BfifWPSnezf/ )


Fonte: Marian Linhares ( https://www.instagram.com/p/Bb4W9pAh5Xc )

A aplicação de revestimento transformará a parede branca e sem vida em um espaço agradável aos olhos e aconchegante para os visitantes.


Fonte: Yanaina Design (
https://www.instagram.com/p/BksycxQn2EF/)

Área externa

Já para ambientes externos, invista em materiais que suportem as mudanças climáticas e ações do tempo. São acabamentos mais rústicos, com tijolos ou pedras à mostra, mármore, granito e madeira. A escolha deixará o ambiente da entrada e fachada da casa, bem como jardim, piscina ou varanda, ainda mais charmoso.


Foto: Eliane Revestimento (
https://www.instagram.com/p/BgwIGh5D9WN/ )


Fonte: Thais Caiado ( https://www.instagram.com/p/Bk0x_6jlciS  )

 


Fonte: Vendramini Arquitetura (
https://www.instagram.com/p/BpZSZDUlMct/ )

Fonte: Fórum da Construção <http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=5&Cod=1661>



4 dicas essenciais para uma boa instalação elétrica

26 de setembro de 2019 | Por cemara

O que é feito de forma natural, no dia a dia, passa despercebido aos olhos. Do apertar o interruptor ao acender das luzes, um longo caminho é percorrido. Muitas vezes, não damos valor, mas basta ficar um minuto sem eletricidade que percebemos como somos dependentes dela.

Por isso, a instalação elétrica é uma das partes que demanda de mais tempo e atenção na construção. Abaixo, destacamos 4 dicas essenciais que não podem ser ignoradas nesta etapa:

Crie uma planta descritiva

Essencial para a elaboração de um plano eficaz e de qualidade, a planta descritiva do projeto elétrico é o primeiro item da lista. Todos os pontos de luz, tomadas e interruptores devem ser previstos para a melhor execução do trabalho.

Procure ajuda profissional

Contar com ajuda especializada não é luxo, é inteligência e segurança. Uma boa execução do projeto e dos processos de instalação dispensa a necessidade de refazer o trabalho e diminui o risco de acidentes.

Escolha material de qualidade

Jantar à luz de velas? Apenas em ocasiões especiais. Toda a estrutura e execução tem que atender às mais altas exigências do mercado, para não “deixar você na mão” quando você mais precisa. Selecione apenas material de qualidade para garantir a durabilidade e funcionamento da instalação.

Dúvidas? Siga os padrões!

Não tem certeza de quantas tomadas colocar na planta descritiva? Utilize os padrões das normas brasileiras relativas ao assunto. O número de tomadas de uso geral deve ser fixado de acordo com o seguinte:

  • Banheiro: no mínimo, uma tomada junto ao lavatório;
  • Cozinhas, área de serviço e lavanderia: uma tomada a cada 3,5 metros;
  • Acima de bancada: uma tomada;
  • Corredor, subsolo, garagem, sótão e varanda: no mínimo, uma tomada.

VISITE SEMPRE O BLOG DA CEMARA!

Pretende construir ou reformar? A Cemara pode ajudar! Toda semana nós publicamos conteúdo novo e de qualidade para você, aqui em nosso blog. Não deixe de nos visitar!

Até a próxima semana!

Fonte: Casa do Construtor < https://info.casadoconstrutor.com.br >.



Passo a passo para construir lajes e telhados

12 de setembro de 2019 | Por cemara

A construção ou reforma do imóvel exige muita preparação e conhecimento. São diversos os detalhes a se atentar. Afinal de contas, impacta diretamente no orçamento e na segurança da obra. Com laje e telhado, não é diferente.

É possível construir laje e telhado sozinho?

É imprescindível a contratação de mão de obra especializada. O profissional é quem vai planejar a divisão do peso e projetar como será toda a estrutura, incluindo vigas, pilares e/ou paredes que irão sustentar a laje e/ou telhado. Porém, é importante que o proprietário saiba o passo a passo para participar ativamente de todo o processo.

PASSO 1: PLANEJAMENTO E ESTRUTURAÇÃO DA LAJE

A principal etapa de todo o processo é o planejamento. Ele é fundamental para estimar custo e tempo da obra. O profissional responsável irá entender a necessidade específica do imóvel e apresentar a melhor forma para construção da laje.

Cada projeto é único, mas todos seguem as mesmas etapas de estruturação. Conheça cada uma delas:

  • Inclusão de escoramento – é a estrutura provisória para suportar o peso da laje enquanto o concreto dos pilares não estiver forte o suficiente.
  • Remoção do escoramento – ocorre somente após finalizar a obra, quando o concreto já estiver forte o suficiente para remover a estrutura provisória.
  • Instalação de circuitos – distribuição elétrica, hidráulica e redes de água e esgoto, caso o projeto preveja a passagem desses sistemas na laje.
  • Enchimento – processo de preenchimento, com concreto, dos espaços vazios e de toda a estrutura e sistema que deve ficar embutido na laje.

 

PASSO 2: IMPERMEABILIZAÇÃO

Trincas, rachaduras e infiltrações são problemas que podem causar dor de cabeça no futuro. Por isso, a impermeabilização é parte fundamental na construção de lajes e telhados. O processo é simples: basta aplicar impermeabilizante após a construção da estrutura.

PASSO 3: CONTRAPISO E ASSENTAMENTO

O contrapiso é indicado apenas para lajes com passagem de pessoas. Neste caso, é necessário fazer a regularização e, posteriormente, escolher o piso desejado para fazer o assentamento e selamento.

PASSO 4: PLANEJAMENTO DO TELHADO

Não são todos os imóveis que possuem telhados. Alguns profissionais excluem o telhado do projeto para alcançar um design diferenciado, com traços retos. Contudo, há outro benefício associado: menor investimento em material e mão de obra.

A criação do telhado depende de uma complexa estrutura com sistema de encaixe de telhas. Confira as etapas:

  • Definição do projeto – além da proteção ao imóvel, o que mais você deseja? Um recorte para design diferenciado? Estrutura para captação da água pluvial? Seja qual for o objetivo final, tenha ele detalhado no projeto.
  • Procura de profissional – altíssimo conhecimento técnico é necessário na construção do telhado. Busque profissionais especializados.
  • Material de qualidade – faça uma ampla pesquisa de produtos que atendam ao projeto com o melhor custo x benefício.
  • Dica bônus: para economizar, aprenda como evitar o desperdício em construções.

VISITE SEMPRE O BLOG DA CEMARA!

Pretende construir ou reformar? A Cemara pode ajudar! Toda semana nós publicamos conteúdo novo e de qualidade para você, aqui em nosso blog. Não deixe de nos visitar!

Até a próxima semana!

Fontes: Pra Construir < http://blogpraconstruir.com.br > e Weber < https://www.quartzolit.weber >



Quais as diferenças entre alvenaria convencional e estrutural?

5 de setembro de 2019 | Por cemara

A construção da alvenaria é um passo importante na hora da obra, pois a estrutura será responsável por sustentar o peso da casa e definir o que pode ou não ser feito futuramente. Por isso, é essencial entender as diferenças entre os modelos: convencional e estrutural.

Qual o tipo de alvenaria é a melhor para a minha construção?

A decisão deve partir após análise técnica feita por profissional. Ele avaliará a topografia, projeto de arquitetura, tipo de solo, dentre outros, para entender qual modelo é o melhor para a construção. Porém, é importante que o proprietário saiba as diferenças para participar ativamente de todo o processo de construção e entender a escolha.

Alvenaria convencional

Nesta estrutura, o peso da construção é sustentado por pilares, vigas e lajes. Indicada para projetos criativos, com menos paredes. Não há restrições de medidas e possibilita obras e reformas, sem prejuízos.

Comparado ao outro modelo, a alvenaria convencional demanda mais tempo e tem custo elevado.

Alvenaria estrutural

Apesar de gerar economia de dinheiro e tempo, quando comparado a outra estrutura, este modelo exige o planejamento exato da planta, pois não permite obras ou reformas futuramente, isto porque o peso da casa é dividido entre todas as paredes. O modelo limita a criatividade e personalização da casa, pois não permite portas e janelas fora do padrão.

 

Fonte: Fórum da Construção < http://www.forumdaconstrucao.com.br



Regiões de Campinas e Sorocaba crescem em ritmo acelerado

30 de agosto de 2019 | Por cemara

Regiões de Campinas e Sorocaba crescem em ritmo acelerado

A facilidade, a segurança e o conforto das cidades do interior de São Paulo têm motivado empresários a investirem na construção de indústrias e residências na região.

Surfando nessa tendência, cidades como Campinas e Sorocaba têm apresentado aumento representativo em seu PIB e crescimento acelerado. Entre 2002 e 2018, as duas cidades lideraram a lista dos locais que mais evoluíram em todo o estado. O crescimento foi de, aproximadamente, 3% ao ano, enquanto que a cidade de São Paulo teve aumento de 1,8%.

Os números refletem a perda de dinamismo da economia na região metropolitana. O índice da grande São Paulo é inferior ao das demais regiões industrializadas (2,2% ao ano) e abaixo da média estadual (2,3%). No período 2002 a 2018, a cidade sofreu queda de 46 para 35% na participação na indústria; enquanto a região de Campinas consagrou-se como a segunda mais industrializada do país.

Os dados são da Fundação Seade.

Esses números representam, além da evolução de toda a região, a oportunidade de investimento seguro, principalmente nas áreas de construção e compra de terrenos em bairros planejados.

PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma, em valores monetários, de todos os bens produzidos em uma região durante um período determinado. Quanto maior o PIB que um município apresenta, maior será a qualidade de vida e o acesso a serviços proporcionados para toda a população.

Fonte: https://www.valor.com.br/brasil/6389807/regiao-metropolitana-perde-peso-na-industria-de-sao-paulo



4 dicas para evitar o desperdício em construções

22 de agosto de 2019 | Por cemara

O desperdício de materiais nas reformas e construções é uma realidade no Brasil. Esse fato gera naturalmente gastos desnecessários, aumentando os custos nas obras e o consequente impacto negativo no meio ambiente, pois a maior quantidade de entulho gerada reflete diretamente nesse caso.

Evitar esse cenário é totalmente possível com algumas práticas simples que permitirão redução significativa nos custos da obra, além de uma atitude mais sustentável durante seu processo!

Confira a seguir 4 dicas para evitar o desperdício em construções:

  • Planejamento é a chave do sucesso

Antes de qualquer coisa, ter a certeza do que será feito é essencial. Seja em reformas ou construções, é necessário um bom planejamento em longo prazo, definindo não só o que será feito, mas quem será o responsável.

Ao iniciar, tenha em mãos o projeto de arquitetura explicando cada detalhe da obra. Um projeto bem elaborado e com orçamento detalhado determina, bem próximo da exatidão, a quantidade de materiais que será utilizada, além de reduzir a quantidade de imprevistos do que uma obra sem projeto.

  • Opte por profissionais especializados e materiais de qualidade

Com o projeto em mãos, é necessário buscar a equipe especializada para dar andamento. Mão de obra barata ou sem o conhecimento necessário pode gerar desperdício, pois o profissional pode cometer muitos erros, exigindo que etapas sejam refeitas.

Outro mito na construção é o de “economizar dinheiro com materiais de má qualidade”. Nesse caso, o barato pode sair caro. A princípio eles parecem gerar economia, mas por renderem menos, é necessário adquiri-los em maior quantidade.

  • Cuidado com o transporte de materiais

É muito comum durante construções que diversos materiais quebrem e sejam descartados devido ao transporte indevido. Por isso, é importante tomar cuidado na hora de manuseá-los, armazenando-os perto do local onde serão utilizados, para que o deslocamento seja mais fácil e envolva menos risco. Outra dica é evitar o uso de carrinhos arredondados para transportar blocos retos, por exemplo, pois isso pode quebrar as quinas.

  • Procure alternativa à alvenaria

Existem no mercado diversos sistemas construtivos além da alvenaria. A maioria deles evita o desperdício, normalmente, pela ausência de pilares e vigas (que exigem moldes que são jogados fora após a obra e também por não ser necessário quebrar as paredes para passar as tubulações).

Fonte: https://dicasdearquitetura.com.br/como-evitar-o-desperdicio-na-obra/#more-18978



Que tal construir uma casa acessível?

20 de agosto de 2019 | Por cemara

Você conhece o conceito de uma casa acessível? A senadora Mara Gabrilli declarou que “o conceito de design universal é tornar não só a casa, mas também as cidades ideais para as pessoas em todas as situações ao longo da vida”.

Uma casa construída para pessoas com deficiência (PCD) deve seguir rigorosamente as regras de acessibilidade (NBR 9050) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

E para que você tenha uma casa acessível para morar e receber visitas de pessoas com deficiências PCD, veja nossas dicas.

Tire os obstáculos

Da porta de entrada da sua casa até o quintal dos fundos, é obrigatório ter espaços de fácil acesso para ir e vir. É preciso deixar um espaço no hall para que o cadeirante consiga fazer uma rotação de 90°. Entre os móveis, deixe uma distância mínima de 80cm e não coloque mesas de centro ou aparadores que fiquem no caminho.

Quais os tipos de piso?

Piso antiderrapante em todos os ambientes, internos e externos. Esse tipo de piso é ideal para manter a circulação segura e sem riscos de acidentes. Livre-se de tapetes, pois eles podem ser obstáculos perigosos para quem utiliza algum tipo de apoio para andar. Deixe também tudo nivelado, para evitar desequilíbrios.

Sofás e cadeiras com medidas especiais

Os assentos precisam ser compatíveis com a altura da cadeira de rodas, aproximadamente 95cm para adultos. Coloque uma das peças sem o braço lateral, que facilita o movimento para sentar. E lembre-se de colocar espumas mais rígidas: elas ajudam muito na hora de levantar.

Térreo ou sobrado?

Não necessariamente uma casa para pessoas com deficiência deve ser térrea. Ela pode também ter pisos superiores e que tenham equipamentos que facilitam o acesso aos outros andares.

Procure saber sobre elevadores, plataformas hidráulicas, cadeiras elevatórias e rampas. São ideais para conseguir explorar novos modelos de casa.

Banheiro

Aqui é preciso muito cuidado e atenção por ser uma área com espaço mais restrito. Veja se a pia está em uma altura inferior a 80cm com um vão livre para aproximação da cadeira de rodas.

Na mesma altura, podendo chegar a até 1,20m, devem estar instalados registros e prateleiras com itens de higiene. E não se esqueça de barras de apoio: elas devem estar nas duas paredes dentro do boxe e nas laterais da pia e da bacia.

Cozinha

Eletrodomésticos e armários não podem estar muito altos, para facilitar o acesso de todos. Em uma altura ideal de até 80cm devem estar as mesas também. E facilite com a instalação de torneiras de alavanca ou monocomando.

Quarto

O quarto deve ser o mais confortável possível, por isso pense em colchões articuláveis movimentados por controle remoto. Mas não se esqueça de calcular o espaço para entrada de cadeira de rodas e outros itens de apoio para movimentação. É preciso evitar que esbarrem em obstáculos que podem causar acidentes.

Para realmente ter uma casa acessível e que atenda essas necessidades, procure um arquiteto e exponha tudo o que precisa para ter um ambiente confortável a todos.



Conheça os tipos de fundação para construir sua casa

16 de agosto de 2019 | Por cemara

Chegou a hora de saber como realizar seu primeiro passo para ter uma casa segura, estável e bem construída, com uma fundação bem feita. Você sabe a importância desse elemento para a sua futura residência? Então fique por dentro.

A fundação, também conhecida como alicerce, é um dos elementos fundamentais para a construção de uma casa. Ela é a estrutura responsável por suportar o peso e manter nivelada a casa no terreno, além de garantir fixação. Seu projeto deve ser bem calculado e realizado por profissionais especializados, pois uma conta errada sobre as cargas que essa fundação precisa suportar pode acarretar graves problemas em toda a estrutura do imóvel.

Tudo deve começar num estudo do solo para conhecer o tipo e a quantidade de carga que ele suporta. Após essas informações, os engenheiros vão definir o tipo de fundação ideal para sua obra. Saiba que o tipo de casa escolhida deve ter um alicerce específico, afinal, um sobrado tem um peso diferente de uma casa térrea. E existem alguns tipos de fundação que devem ser levados em consideração. São eles:

Fundações diretas ou rasas

Muito comum em casas com até dois pavimentos devido ao seu custo benefício. Essas fundações transmitem as cargas diretamente para o solo por suas bases e sua profundidade é igual ou inferior a 3 metros. As escavações deste tipo de fundação são feitas manualmente. Os formatos das fundações mudam conforme o tipo, mas todas são construídas com concreto e aço, conhecida como concreto armado.

Os tipos de fundações diretas mais comuns são:

Sapata Isolada
Viga Baldrame
Radier
Sapata Corrida

Fundações indiretas ou profundas

Em casos de baixa resistência do solo, será necessário utilizar fundações profundas ou indiretas. As fundações profundas que mais utilizam em casas são as estacas tipo broca, cilindros de concreto e aço enterrados que ligam as fundações com solos mais firmes.

Existe também a fundação com estacas. Essa é indicada para solos tipo aterro, com pouca resistência. Essas estacas ficam a mais de três metros de profundidade, já que é preciso cavar muito para achar uma estabilidade no solo.

Leve os profissionais de sua confiança para visitar os locais da obra, para te ajudar com informações mais técnicas e que precisam ser realizadas nos estágios iniciais e durante a obra. E com isso, o seu engenheiro deve ter uma aproximação com a equipe que vai executar a construção, para que nenhuma informação fique para trás.

Veja abaixo como escolher a fundação correta para sua construção:

Conte com a Cemara para tirar dúvidas sobre o seu loteamento e ter uma construção segura.



Ideias para construir um playground divertido e barato na sua casa

15 de agosto de 2019 | Por cemara

Que tal ter na sua casa um espaço de brincadeiras, diversão e, acima de tudo, com segurança para os seus filhos? Sim, isso é possível construindo um playground no seu quintal e o melhor de tudo: com um preço acessível.
É possível construir gangorras, balanços, cabanas, piscina de bolinhas, escorregador, caixa de areia e até mesmo um campinho para esportes variados. Veja aqui algumas dicas para utilizar materiais que vão deixar a parte externa da sua casa ainda mais divertida:

PNEUS

Sabe aqueles pneus velhos que as borracharias vão vender para outras finalidades ou que, se descartados incorretamente, vão poluir o meio ambiente? Então, eles podem se transformar em alguns brinquedos incríveis.
Corte o pneu pela metade e com um pedaço de tábua fixado nele, você já tem uma mini gangorra para diversão dos pequenos.

Você pode também pegar um pneu de caminhão inutilizado, forrar com lona de piscina antiga, colocar areia e criar um banco de areia para construção de castelos e outras coisas que a imaginação permitir. Ah, lembre-se de pintar o pneu para deixar o ambiente ainda mais colorido.

Já pensou também em brincar de equilíbrio com a criançada? Pegue os pneus e corte-os pela metade. Depois, os fixe no chão, em um buraco, de maneira que fiquem enfileirados. Pinte-os com cores diferentes e coloque os pequenos para ultrapassarem os obstáculos. E também são ótimas opções de banco.

CANOS DE PVC

Você terminou a construção da sua casa e sobraram alguns canos de PVC? Não jogue-os fora, crie ambientes e brinquedos novos que vão divertir a todos.

Se você encaixar diversos canos de PVC com as juntas necessárias, é possível criar a estrutura de uma cabana que pode ser levada para qualquer lugar. Coloque um pano colorido e deixe a imaginação rolar.

Se você gosta de esportes, que tal ter um par de gols para jogar futebol? Com apenas 12 canos de PVC é possível montar mini gols para colocar toda a família para jogar o esporte mais famoso do mundo. E o melhor: é leve e desmontável, podendo ser guardado em qualquer canto da casa.

Uma piscina de bolinhas é garantia de diversão em qualquer ambiente com criança. E com alguns canos de PVC, você consegue montar uma estrutura que suporte até 3 crianças pequenas e muita diversão. Compre redes de proteção bem fortes para as laterais, bolinhas coloridas de plástico e protetores de espuma para colocar na borda da piscina.

E que tal utilizar as latas de tinta que sobraram para fazer uma brincadeira de acerte o alvo? Tire todas as extremidades cortantes, para segurança de todos, pinte e decore as latas e pendure-as em alguma estrutura com barbantes para criar uma competição de quem acerta mais bolinhas dentro das latas.

Essas são algumas dicas que temos para você construir seu playground em casa. Quais outras opções você conhece?

Compartilhe conosco!

fontes das fotos: Fotos: https://canaldadecoracao.com.br/como-montar-um-playground-infantil-simples-ideias-e-dicas-baratas/



Páginas:123456»

Certificados e Prêmios



Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara
Realizações Cemara