Envie um e-mail agora

Nome

E-mail

Interesse em

Telefone

Celular

Estado

Cidade

Indique abaixo como conheceu a Cemara

Mensagem

Qual rolo usar para pintar a parede?

27 de novembro de 2011 | Por cemara

Pintar as paredes é uma das atividades que cada vez mais no Brasil tem entrado para o segmento do “faça você mesmo”. Para se aventurar sozinho na renovação dos ambientes da casa é preciso, no entanto, seguir a risca práticas e cuidados que são velhos conhecidos dos profissionais de pintura.

Um dos pontos importantes para conseguir um acabamento de qualidade ao pintar a parede é escolher os acessórios corretos, de acordo com o tipo de tinta que será aplicado. William Saraiva, gerente de produtos da fabricante de tintas Lukscolor, enumera que para esta tarefa as pessoas precisam basicamente de rolo, lixa, bandeja, espátula e itens de proteção do espaço como fita e plástico preto.

Existem tipos de rolo mais adequados para as características da tinta que será usada. A classificação principal segue o material de fabricação. Os rolos de lã, que podem ser de fibra natural, sintética ou de composição mista, devem ser usados para a aplicação de tintas à base de água. Eles têm maior capacidade de reter a tinta em suas fibras e, de acordo com o cumprimento dos fios da lã, praticamente não respingam. “Quando se utiliza um rolo de lã, por exemplo, quanto mais rugosa a superfície, mais alto poderá ser o pelo da ferramenta. Já numa parede lisa, rolos com pelo alto oferecem ganhos de produtividade, enquanto que o uso de pelo baixo aumenta a qualidade de acabamento”, argumenta Cristina Czarlinski, diretora de marketing da Castor.

Os rolos com pelo alto garantem melhores resultados quando a tarefa é pintar paredes cuja superfície é áspera, absorvente ou rugosa, a exemplo das que receberam textura. William Saraiva avalia que os rolos de pelo baixo são mais vantajosos, pois não respingam, são mais leves e fáceis de manusear e ainda garantem acabamentos com mais qualidade.

Segundo o gerente de produtos da Lukscolor, Willian Saraiva, os rolos de lã não podem ser usados com tintas à base de solventes, pois estes provocam a corrosão das fibras. Por isso, os acessórios corretos neste caso são os rolos de espuma de poliéster. De acordo com a Castor, existe no mercado outro tipo de rolo de espuma, feito de poliéter, que não pode ser utilizado com produtos abrasivos.

A empresa explica que a espuma de poliéster é resistente à abrasão, ao impacto, a óleos, graxas e solventes, ao contrário da produzida em poliéter, que sofre deformações ao entrar em contato com materiais deste tipo.

William Saraiva explica que os rolos de espuma de poliéster não podem ser usados com tintas à base de água, pois eles não possuem as propriedades necessárias para alastrar e nivelar este tipo de tinta sobre a superfície. Ao contrário do esperado, vão deixar a parede, neste caso, com aspecto rugoso.

O estado de conservação do rolo também interfere no acabamento da pintura. William explica que os rolos de lã podem ser usados por quatro ou cinco vezes, enquanto os de espuma tem menor durabilidade e mantém o bom desempenho apenas por duas ou três aplicações. Também é importante lavar o rolo após o uso. Para os de lã, a recomendação da Castor é lavar também antes de utilizar pela primeira vez para eliminar fios que possam se soltar na aplicação.

A lixa é o acessório usado para preparar a parede antes da pintura. O gerente de produtos da Lukscolor explica que quando a pintura anterior estiver em bom estado, sem manchas nem descamação, uma lixa com numeração (grano) 220 é suficiente. Quando maior a numeração da lixa, menor é sua aspereza e menos riscos ela vai deixar na parede. William comenta que, quando a parede vai receber aplicação de gesso, por exemplo, o grano da lixa deve ser 400, que proporciona uma superfície mais lisa.

Lixas mais grossas, como a 220, são mais adequadas para preparar paredes que já foram pintadas várias vezes e eliminar a pintura anterior quando ela está com escamas.

Na hora de preparar a tinta, William Saraiva explica que as pessoas devem deixar de lado aquele cabo de vassoura que costuma ser usados para misturar a tinta. “Quando você abre a lata, precisa de um objeto retangular, como uma espátula ou uma régua, para fazer a mistura, pois ele deixa a tinta melhor homogeneizada”, destaca o gerente da Lukscolor.

Fonte: BBel